Aspectos epidemiológicos da Mycobacterium tuberculosis: uma revisão

Lyzandra da Silva Leitão Rosendo, Cinara Wanderléa Felix Bezerra, Marilene Maria de Lima

Resumo


A bactéria Mycobacterium tuberculosis conhecida como Bacilo de Koch causa a tuberculose, doença que acomete milhões de pessoas no mundo. Objetivou-se verificar o impacto da tuberculose no Brasil e no mundo, apontando pontos históricos da doença, principais características epidemiológicas com o intuito de mostrar os pontos que evolvem o processo de desenvolvimento da bactéria, da doença, do seu diagnóstico, tratamento e prevenção. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) o Brasil é um dos países com mais ocorrência de tuberculose e apesar do avanço nos tratamentos, há muitos casos de óbitos registrados. Em 2016 foram registrados 69.000 casos de tuberculose no Brasil, tonando o país o 20º na lista de prioridades para o controle da doença. Em 2014 a OMS aprovou diretrizes que buscam eliminar a doença do mundo e principalmente dos países onde há baixa ocorrência, até o ano de 2035. Apesar dos conhecimentos clínicos, a tuberculose afeta milhares de pessoas no mundo, principalmente devido às más condições de tratamento. Mesmo com os avanços medicinais é importante que o sistema de saúde desenvolva mecanismos adequados de suporte aos pacientes, informando-os sobre as principais características da doença, buscando prevenir novos casos e o avanço da doença.


Palavras-chave


Bactéria, Epidemiologia, Tuberculose.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Alves-Júnior, A. C.; Silva, C. H. L E; Moura, E. C. (2006). Atenção à saúde do adulto, tuberculose. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais. 1ª Edição. Belo Horizonte, 144p.

Bates, J. H.; Stead, W. W. (1993). The history of tuberculosis as a global epidemic. Medical Clinics of North America, 77(6): 1205-1217.

Bertolli Filho, C. (2001). História social da tuberculose e do tuberculoso: 1900-1950. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 248p.

Bombarda, S.; Figueiredo, C. M.; Funari, M. B. De Gusmão.; Júnior, J. S.; Seiscento, M. Filho, M. T. (2001). Imagem em tuberculose pulmonar. Journal of Pneumology, 27 (6): 329-340.

BRASIL. (2002). Guia de Vigilância Epidemiológica. Fundação Nacional de Saúde. 5 ed. Brasília: FUNASA. Disponível em:< http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/funasa/guia_vig_epi_vol_l.pdf>. Acessado em março/2020.

BRASIL. (2008a). Manual nacional de vigilância laboratorial da tuberculose e outras micobactérias. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. – Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_vigilancia_laboratorial_tuberculose.pdf>. Acessado em Julho/2020.

BRASIL. (2008b). Controle da tuberculose: uma proposta de integração ensino-serviço. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Rio de Janeiro: EAD/ENSP, 215-294. Disponível em:< https://pesquisa.bvsalud.org/bvsms/resource/pt/mis-36654>. Acessado em Julho/2020.

BRASIL. (2011). Tratamento diretamente observado (TDO) da tuberculose na atenção básica: protocolo de enfermagem. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Apoio à Gestão de Vigilância em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em : . Acessado em Julho/2020.

BRASIL. (2014). Guia de Vigilância em Saúde. Ministério da Saúde. Brasília, DF. Volume único. Disponível em: . Acessado em março/2020.

BRASIL. (2017). Guia de Vigilância em Saúde: volume 2. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços – 1. ed. atual. – Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em:< http://biblioteca.cofen.gov.br/guia-de-vigilancia-em-saude-volume-2/>. Acessado em Julho/2020.

Bynum, H. (2013). Tuberculosis an ancient and deadly foe. p. 1-22. In: Medcalf, A.; Altink, H.; Saavedra, M.; Bhattacharya, S. Tuberculosis. A short history. Centre for Global Health Histories, The University of York. United Kingdom, 60p.

Campos, R.; Pianta C. (2001). Tuberculose: histórico, epidemiologia e imunologia, de 1990 a 1999, e co-infecção TB/HIV, de 1998 a 1999, Rio Grande do Sul – Brasil. Boletim da Saúde, 15 (1): 61-71.

Campos, H. S. (2006). Diagnóstico da Tuberculose. Pulmão RJ, 15(2): 92-99.

Capone, D.; Mogami, R.; Lopes, A. J.; Tessarollo, B.; Cunha, D. L. Da; Capone, R. B.; Siqueira, H. R. De; Jansen, J. M. (2006). Tuberculose Extrapulmonar. Revista do Hospital Universitário Pedro Ernesto, UERJ, 5 (2): 54-67.

Coelho, F. S.; Marques, E. A. (2006). Etiologia. Revista Do Hospital Universitário Pedro Ernesto, Uerj, 5(2): 24-26.

Coelho, A. C.; Pinto, A. M.; Rodrigues, J. (2008). Coloração de Ziehl-Neelsen como método rápido de diagnóstico de paratuberculose ovina. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária Zootecnia, 60(5): 1097-1102.

Ferreira, A. A. De A.; Queiroz, K. C. De Souza.; Torres, K. P.; Ferreira, M. A. F.; Accioly, H.; Alves, M. Do S. C. F. (2005). Os fatores associados à tuberculose pulmonar e a baciloscopia: uma contribuição ao diagnóstico nos serviços de saúde pública. Revista Brasileira de Epidemiologia, 8(2): 142-149.

Ferri, A. O.; Aguiar, B.; Wilhelm, C. M.; Schmidt, D.; Fussieger, F.; Picoli, S. U. (2014). Diagnóstico da tuberculose: uma revisão. Revista Liberato, Novo Hamburgo, 15(24): 105-212.

Finkelman, J. (2002). Caminhos da saúde no Brasil. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 328p.

Hijjar, M. A.; Procópio, M. J. (2006). Tuberculose – Epidemiologia e Controle no Brasil. Revista do Hospital Universitário Pedro Ernesto, UERJ, 5(2): 15-23.

DANIEL, T. M. (2006). The history of tuberculosis. Respiratory Medicine, 100(11): 1862–1870.

Jorge, A. O. C. (2006). Princípios de Microbiologia e Imunologia. São Paulo: Livraria Santos Editora, 151-159p.

Kaisemann, M. C.; Kritski, A. L.; Pereira, M De F. C.; Trajman, A. (2004). Dosagem da atividade da adenosina deaminase no líquido pleural para o diagnóstico da tuberculose pleural. Journal of Brasian Pneumology, 30 (6): 549-56.

Kritski, A. L.; Villa, T. S.; Trajman, A.; Silva, J. R. L. E; Medronho, R. A.; Ruffino-Netto, A. R. (2007). Duas décadas de pesquisa em tuberculose no Brasil: estado da arte das publicações científicas. Revista de Saúde Pública, 41(1): 9-14.

Levinson, W.; Jjawetz, E. (2005). Microbiologia Médica e Imunologia. 7° ed. Porto Alegre: Artmed Editora S.A., 154-158p.

Lopes, A. J.; Capone, D.; Mogami, R.; Tessarollo, B.; Cunha, D. L. Da.; Capone, R. B.; Siqueira, H. R. De.; Jansen, J. M. (2006). Tuberculose extrapulmonar: aspectos clínicos e de imagem. Pulmão RJ, 15(4): 253-261.

Marques, A. M. C.; Cunha, R. V. A. (2003). Medicação assistida e os índices de cura de tuberculose e de abandono de tratamento na população indígena Guaraní-Kaiwá no Município de Dourados, Mato Grosso do Sul, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 19 (5): 1405-1411.

Melo, F. A. Fiuza; Klautau, G. B.; Rodrigues, D. S. S.; Afiune, J. B.; Hijjar, M. A.; Gomes, M.; Kritski, A. L.; Rosemberg, J.; Bacha, H. A. Leite, O. H. M. (2015). Tuberculose, p.399-1470. In: Veronesi, R. F. et al. Tratado de Infectologia. 5 ed. rev. e atual. São Paulo: Editora Atheneu, 2320p.

Mendes, A. M.; Fensterseifer, L. M. (2004). Tuberculose: porque os pacientes abandonam o tratamento? Boletim Pneumology Sanit, 12(1): 25-36.

MINISTÉRIO DA SAÚDE (2018). Brasil livre da tuberculose: Implantação do Plano Nacional pelo Fim da Tuberculose como Problema de Saúde Pública no Brasil: primeiros passos rumo ao alcance das metas. Secretaria de Vigilância em Saúde | Ministério da Saúde, 52p. Disposnível em:< http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/brasil_livre_tuberculose_plano_nacional.pdf>. Acessado em Julho/2020.

Norbis, L.; Miotto, P.; Alagna, R.; Cirillo, D.M. (2013). Tuberculosis: lights and shadows in the current diagnostic landscape. New Microbiologica, 36(2): 111-120.

Onishi, R. (1982). Tuberculose Pulmonar. Revista de Médica, 64 (2): 52-53.

Pandolfi, J.R.; Malaspina, A. C.; Santos, A. C. B.; Suffys, P. N.; Oellemann, M. A. C.; Valentini, S. R.; Leite, C. Q. F. (2007). Tuberculose e o estudo molecular da sua epidemiologia. Revista Ciência Farmacêutica Básica Aplicada, 28(3): 251-257.

Pelczar Jr., M. J.; Chan, E. C. S.; Krieg, N. R. (1997). Microbiologia conceitos e aplicações. 2 ed. v. 2. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 200-203p.

Piller, R. V. B. (2012). Epidemiologia da Tuberculose. Pulmão RJ, 21(1): 4-9.

Quinn, P. J.; Markey, B. K.; Carter, M. E.; Donnelly, W. J.; Leonard, F. C. (2005). Microbiologia veterinária e doenças infecciosa. Porto Alegre: Artmed, 443p.

Rosendo, L. S. L. Bezerra, C. W. F.; Lima, M.M. (2020). Perfil epidemiológico de indivíduos com Tuberculose na cidade de Arcoverde-PE. Revista Nordestina de Ciências Biológicas. 3, 1-7.

Schoch, O. D.; Rieder, P.; Tueller, C.; Altpeter, E.; Zellweger, J-P.; Rieder, H. L.; Krause, M.; Thurnheer, R. (2007). Diagnostic Yield of Sputum, Induced Sputum, and Bronchoscopy after Radiologic Tuberculosis Screening. American Journal of Respiratory Critical Care Medicine, 175(1): 80- 86.

Silva-Júnior., J. B. da. Tuberculose Guia de Vigilância Epidemiológica. II Congresso Brasileiro de Tuberculose. Diretrizes Brasileiras para Tuberculose. p. 6-23.

Silva, C. S.; Santos, dos A.; Almeida, M. S.; Miranda, R. de C. M. (2016). Frequência de casos positivos para tuberculose em Tobias Barreto-SE no período de 2010-2015. Interfaces Científicas - Saúde e Ambiente. Aracaju, 4(2): 29-34.

Siqueira, H. R. (2006). Tuberculose. Revista do Hospital Universitário Pedro Ernesto, UERJ, 5(2): 74-82.

Smeltzer, S. C.; Bare, B. G. (2011). Brunner & Suddarth: Tratado de Enfermagem Médico-Cirúrgica. 12ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2404p.

Spicer. W. J. (2002). Bacteriologia, Micologia e Parasitologia Clínicas. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan S.A., 54p.

Stead, W. W.; Eisenach, K. D.; Cave, M. D.; Beggs, M. L.; Templeton, G. L.; Thoen, C. O. (1995). When did Mycobacterium tuberculosis infection first occur in the new world? An important question with public health implications. American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine, 151(4): 1267-1268.

Strohl, W. A.; Rouse, H.; Fisher, B. D. (2004). Microbiologia Ilustrada. Trad. Ane Rose Bolner et al. Porto Alegre: Artmed, 259-267p.

World Health Organization (WHO). Global Tuberculosis Report, 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Lyzandra da Silva Leitão Rosendo, Cinara Wanderléa Felix Bezerra, Marilene Maria de Lima

ISSN: 2675-3065

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn