Potencial da técnica do osmocondicionamento de sementes como estratégia para minimizar os efeitos da salinidade

Adriana da Silva Santos, Kilson Pinheiro Lopes, Marília Hortência Batista Silva Rodrigues, Marcelo Augusto Rocha Limão, Luana da Silva Barbosa

Resumo


Em um sistema de produção agrícola a disponibilidade de água de qualidade é primordial para o sucesso desta atividade, entretanto determinadas regiões como as encontradas no semiárido apresentam baixa pluviosidade, tornando necessário o uso de água de qualidade inferior, que apresenta elevada concentração de sais, com destaque para o cloreto de sódio. Contudo, essa elevada concentração de sais na água de irrigação afeta o crescimento vegetal, sendo ainda mais severo durante a germinação das sementes e desenvolvimento inicial das plântulas. Neste contexto, surge a necessidade de buscar alternativas que reduza esses efeitos, destacando a técnica do condicionamento osmótico de sementes. Diante deste cenário, objetivou-se elaborar uma breve revisão sobre o potencial do condicionamento osmótico de sementes na tentativa de minimizar os efeitos deletérios da salinidade da água de irrigação sob a germinação e crescimento de plântulas. Nesta técnica, as sementes são imersas em solução osmótica sob tempo e temperatura pré-estabelecidas de modo a restringir a quantidade de água absorvida, com o objetivo de que quando semeadas, a emergência das plântulas ocorra de forma rápida, uniforme e em maior porcentagem, diminuindo o tempo de exposição das sementes no ambiente salino. O uso da técnica de osmocondionamento em sementes como um atenuante dos efeitos causados pela elevada concentração de sais na água de irrigação é uma alternativa viável, principalmente para regiões caracterizadas pela escassez hídrica e pela indisponibilidade de água de qualidade.


Palavras-chave


Estresse salino, Pré-tratamento de sementes, Condicionamento osmótico.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Araújo, E. B. G., Sá, F. V. S., Oliveira, F. A., Souto, L. S., Paiva, E. P., Silva, M. K. N., Mesquita, E. F. & Brito, M. E. B. (2016). Crescimento inicial e tolerância de cultivares de meloeiro a salinidade. Revista Ambiente & Água, 11(2), 463-471.

Borges, C. T., Deuner, C., Rigo, G. A., Oliveira, S. & Moraes, D. M. (2014). O estresse salino afeta a qualidade fisiológica de sementes de rúcula? Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer, 10(19), 1049-1057.

Demontiêzo, F. L. L., Aragão, M. F., Valnir Junior, M., Moreira, F. J. C., Paiva, P. V. V. & Lima, S. C. R. V. (2016). Emergência e crescimento inicial de tomate “Santa clara” em função da salinidade e condições de preparo das sementes. Irriga, Botucatu, Edição Especial, Irriga & Inovagri, 81-92.

Fialho, G. S., Silva, C. A., Dias, D. C. F. S., Alvarenga, E. M. & Barros, W. S. (2010). Osmocondicionamento em sementes de pimenta 'amarela comprida' (Capsicum annuum L.) Submetidas à deterioração controlada. Ciência e Agrotecnologia, 34(3), 646-652.

Foolad, M. R. (2004). Recent advances in genetics of salt tolerance in tomato. Plant Cell, Tissue and Organ Culture, 76(2), 101-119.

Holanda, J. S., Amorim, J. R. A., Ferreira Neto, M., Holanda, A. C. & Sá, F.V.S. (2016). Qualidade da água para irrigação. In: Gheyi, H. R., Dias, N. S., Lacerda, C. F. & Gomes Filho, E. (Ed). Manejo da salinidade na agricultura: Estudos básicos e aplicados. INCT Sal: Fortaleza, CE, 35-47.

Kimbinza, S., Bazin, J., Bailly, C., Farrant, J. M., Corbineau, F. & Bouteau, H. M. (2011). Catalase is a key enzyme in seed recovery from ageing during priming. Plant Science, Limerick, 181(3), 309-315.

Lima, G. S., Dias, A. S., Soares, L.A. A., Gheyi, H. R., Nobre, R. G. & Silva, A. A. R. (2019). Eficiência fotoquímica, partição de fotoassimilados e produção do algodoeiro sob estresse salino e adubação nitrogenada. Revista de Ciências Agrárias, 42(1), 214-225.

Lopes, K. P., Nascimento, M. G. R., Barbosa, R. C. A. & Costa, C.C. (2014). Salinidade na qualidade fisiológica em sementes de Brassicas oleracea L. var. itálica. Semina: Ciências Agrárias, 35(5), 2251-2260.

Machado Neto, N. B., Custodio, C. C., Costa, P. R. & Dona, F. L. (2006). Deficiência hídrica induzida por diferentes agentes osmóticos na germinação e vigor de sementes de feijão. Revista Brasileira de Sementes, 28(1), 142-148.

Maciel, K. S., Lopes, J. C. & Mauri, J. (2012). Germinação de sementes e vigor de plântulas de brócolis submetidas ao estresse salino com NaCl. Nucleus, 9(2), 221-228.

Marcos Filho, J. (2005). Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. Piracicaba: FEALQ, 495.

Martins, D. C., Ribeiro, M. S. S., Souza Neta, M. L., Silva, R. T., Gomes, L. P., Guedes, R. A. A. & Oliveira, F.A. (2013). Tolerância de cultivares da melancia à salinidade da água de irrigação. Agropecuária Científica no Semiárido, 8(3), 62-68.

Matias, J. R., Silva, T. C. F. S., Ramos, D. L. D., Santos, R. S., Aragão, C. A. & Dantas, B. F. (2012). Germinação em água biossalina de sementes de pepino osmocondicionadas. Horticultura Brasileira, 30(2), 7757-7764.

Morais, C. S. B., Almeida, L. G., Santos, M. B. & Rossetto, C. A. V. (2014). Respostas de plantas ao condicionamento osmótico de sementes de girassol. Semina: Ciências Agrárias, 35(5), 2261-2274.

Moura, D. C. M. & Carvalho, J. A. Efeitos de diferentes lâminas e teores de sais na água de irrigação sobre o desenvolvimento e produção da berinjela. Irriga, 19(1), 35-45.

Nascimento, W. M. & Costa, C. J. (2009). Condicionamento osmótico de sementes de hortaliças. In: Nascimento, W. M. (ed). Tecnologia de sementes de hortaliças. Embrapa Hortaliças: Brasília, 432.

Oliveira, F. A., Sá, F. V. S., Paiva, E. P., Araújo, E. B. G., Silva, M. K. N., Andrade, R. A., Moreira, R. C. L. & Souto, L. S. (2015). Emergência e crescimento inicial de plântulas de repolho cv. Chato de Quintal sob estresse salino. Revista Agropecuária Técnica, 36(1), 273-279.

Oliveira, F. A., Martins, D. C., Oliveira, M. K. T., Souza Neta, M. L., Ribeiro, M. S. S. & Silva, R. T. (2014). Desenvolvimento inicial de cultivares de abóboras e morangas submetidas ao estresse salino. [email protected] On-line, 8(2), 222-229.

Pereira, M. D., Dias, D. C. F. S., Dias, L. A. S. & Araújo, E. F. (2008). Germinação e vigor de sementes de cenoura osmocondicionadas em papel umedecido e solução aerada. Revista Brasileira de Sementes, 30(2), 137-145.

Sá, F. V. S., Brito, M. E. B., Melo, A. S., Antônio Neto, P., Fernandes, P. D. & Ferreira, I. B. (2013). Produção de mudas de mamoeiro irrigadas com água salina. Revista Brasileira Engenharia Agrícola e Ambiental, 17(10), 1047-1054.

Sivritepe, N., Sivritepe, H. O. & Eris, A. (2003). The effect of NaCl priming on salt tolerance in melon seedling grown under saline conditions. Scientia Horticulturae, 97, 229-237.

Souza, C. L. M. (2015). Armazenamento de sementes e caracterização morfofisiológica de espécies do gênero Physalis. Tese (Doutorado em Recursos Genéticos Vegetais), Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, BA, Brasil, 88p.

Souza, C. L. M., Souza, M. O., Oliveira, R. S. & Pelacani, C. R. (2016). Physalis peruviana seed storage. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 20(3), 263–268.

Souza, M. O., Souza, C. L. M., Barros, N. C. & Pelacani, C. R. (2014). Preconditioning of Physalis angulata L. to maintain the viability of seeds. Acta Amazonica, 44(1), 153-156.

Souza, M. O., Souza, C. L. M. & Pelacani, C. R. (2011). Germination of osmoprimed and nonosmoprimed seeds and initial growth of Physalis angulata (Solanaceae) in saline environments. Acta Botanica Brasilica, 25(1), 105-112.

Varier, A., Vari, A. K. & Dadlani, M. (2010). The subcellular basis of seed priming. Current Science, 99(4), 450-456.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Adriana da Silva Santos, Kilson Pinheiro Lopes, Marília Hortência Batista Silva Rodrigues, Marcelo Augusto Rocha Limão, Luana da Silva Barbosa

ISSN: 2675-3065

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn