Componentes, efeitos e mecanismos de adaptação no cultivo de meloeiro sob estresse salino

Valéria Fernandes de Oliveira Sousa

Resumo


O cultivo do meloeiro é extremamente importante para a Região Nordeste devido fazer parte da rentabilidade de produtores, abrangendo aspectos econômicos e sociais. Os fatores de estresses abióticos são responsáveis pela perda de produção agrícola no mundo inteiro especialmente nas regiões semiáridas, sendo que a salinidade da água e do solo afeta o desenvolvimento e a produção de espécies hortícolas, dentre elas o meloeiro. O estudo teve como objetivo realizar levantamento bibliográfico sobre a cultura do meloeiro em condições de cultivo em ambiente salino. Foi elencado aspectos gerais da cultura, os componentes e efeitos do estresse salino e mecanismos de adaptação ao estresse. Concluiu que em condições de estresse salino o meloeiro reduz o crescimento e produção, que as fases mais sensíveis a salinidade são crescimento inicial e floração, assim como, existe mecanismo de adaptação em função da diversidade genética. Estudos na seletividade de cultivares tolerantes a salinidade são relevantes para cultivo em ambientes desfavoráveis.


Palavras-chave


Ambiente salino, Cucumis melo L., Fitotecnia.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Amorim, A.V.; Gomes Filho, E.; Bezerra, M.A.; Prisco, J.T. & Lacerda, C.F. (2010). Respostas fisiologicas de plantas adultas de cajueiro anão precoce a salinidade. Revista Ciência Agronômica, 41(1), 113-121.

Aragão, C.A., Santos, J.S., Queiroz, S.O.P. & França, B. (2009). Avaliação de cultivares de melão sob condições de estresse salino. Revista Caatinga, 22(2), 161-169.

Botía, P., Navarro, J.M., Cerdá, A. & Martinez, V. (2005). Yield and fruit quality of two melon cultivars irrigated with saline water at different stages of development. European Journal of Agronomy, 23(3), 243-253.

Carvalho, C., Kist, B.B, Santos, C.E., Treichel, M. & Filter, C.F. (2017). Anuário brasileiro da fruticultura 2017. Santa Cruz do Sul: Editora Gazeta Santa Cruz.

Carmo, G.A., Oliveira, F.R.A., Medeiros, J.F., Oliveira, F.A., Campos, M.S. & Freitas, D.C. (2011). Teores foliares, acúmulo e partição de macronutrientes na cultura da abóbora irrigada com água salina. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 15(5), 512–518.

Crisóstomo, J.R., Miranda, F.R., Medeiros, J.F. & Freitas, J.G. (2008). A cadeia produtiva do melão no Brasil. In: Albuquerque, A.C.S. & Silva, A.G. (eds). Agricultura Tropical: quatro décadas de inovações tecnológicas, institucionais e políticas. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica.

Costa, A.R.F.C., Medeiros, J.F., Porto Filho, F.Q., Silva, J.S., Costa, F.G.B. & Freitas, D.C. (2013). Produção e qualidade de melancia cultivada com água de diferentes salinidades e doses de nitrogênio. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 17(9), 947–954.

Dias, N.S., Lira, R.B., Brito, R.F., Sousa-Neto, O.N., Ferreira-Neto, M. & Oliveira, A.M. (2010). Produção de melão rendilhado em sistema hidropônico com rejeito da dessalinização de água em solução nutritiva. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 14(1), 1-5.

FAO. Food and Agriculture Organization. Produção mundial do meloeiro (2012). Disponível em: http://faostat3.fao.org/download/T/TP/E. Acesso em: 07 de novembro de 2015.

Ferreira-Silva, S.L., Silva, E.N., Carvalho, F.E.L., Lima, C.S., Alves, F.A.L. & Silveira, J.A.G. (2010). Physiological alterations modulated by rootstock and scion combination in cashew under salinity, Scientia Horticulturae, 127(1), 39-45.

Ferreira-Silva, S. L., Voigt, E. L., Viégas, R. A., Paiva, J. R. & Silveira, J. A. G. (2009). Influência de porta-enxertos na resistência de mudas de cajueiro ao estresse salino. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 44(4), 361-367.

Figueiredo, V. B. (2008). Evapotranspiração, crescimento e produção da melancia e melão irrigados com águas de diferentes salinidades. Tese de doutorado, Universidade Estadual Paulista, Botucatu, SP, Brasil.

Filgueira, F.A.R. (2008). Novo manual de Olericultura: agrotecnologia moderna na produção e comercialização de hortaliças. 3 ed. rev. e ampl. Viçosa- MG: UFV.

Fontes, P.C.R. (2005). Olericultura: teoria e pratica. Viçosa: UFV.

Freitas, L.D.A., Figueiredo, V.B., Porto Filho, F.Q., Costa, J.C. & Cunha, E.M. (2014). Crescimento e produção do meloeiro cultivado sob diferentes níveis de salinidade e nitrogênio. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.18 (suplemento), p.20-26.

Gheyi, H.R.; Dias, N.S. & Lacerda, C.F. (2010). Manejo da salinidade na agricultura: Estudo básico e aplicados. Fortaleza: INCT Sal.

Hortifuti Brasil. (2016). Anuário 2015-2016. Disponível em: http://www.cepea.esalq.usp.br/hfbrasil/edicoes/152/full. Acesso em: 30 de maio de 2016.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2015). Produção agrícola nacional. Disponível em: www.ibge.com.br. Acesso em: 07 de março de 2017.

Medeiros, D.C., Medeiros, J.F., Barbosa, M.A.G., Queiroga, R.C.F., Oliveira, F.A. & Freitas, W.E.S. (2012). Crescimento do melão Pele de Sapo, em níveis de salinidade e estágio de desenvolvimento da planta. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental,16(6), 647-654.

Mian, A.A., Senadheera, P. & Maathuis, F.J. (2011). Improving Crop Salt Tolerance: Anion and Cation Transporters as Genetic Engineering Targets. Plant Stress, 1, 64-72.

Ponte, L.F.A., Ferreira, O.S., Alves, F.A.L., Ferreira-Silva, S.L., Pereira, V.L.A. & Silveira, J.D. (2011). Variabilidade de indicadores fisiológicos de resistência à salinidade entre genótipos de cajueiro-anão e gigante. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 46(1), 1-8.

Pontes Filho, F.S.T. (2010). Conservação pós-colheita de melão Cantaloupe cultivado em diferentes doses de N e K. Dissertação (Mestrado em Agronomia: Fitotecnia), Universidade Federal Rural do Semiárido (UFERSA), Mossoró.

Robinson, R. W. & Decker-Walters, D. S. (1999). Cucurbits. Cambridge: CAB International.

SENAR. (2007). Cultivo de melão: manejo, colheita, pós-colheita e comercialização/ Serviço Nacional de Aprendizagem Rural - SENAR – Brasília: SENAR.

Silva, A.F. (2016). Eficiência fotossintética e proteção oxidativa em mudas de cajueiro anão precoce submetidas ao estresse salino. Dissertação de mestrado, Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande, PB, Brasil.

Silva, A.R.A., Bezerra, F.M.L., Lacerda, C.F., Sousa, C.H.C. & Bezerra, M.A. (2017). Physiological responses of dwarf coconut plants under water deficit in salt-affected soils. Revista Caatinga, 30(2), 447–457.

Silva, J.E.S.B., Matias, J.R., Guirra, K.S., Aragão, C.A., Araujo, G.G.L. & Dantas, B.F. (2015). Development of seedlings of watermelon cv. Crimson Sweet irrigated with biosaline water. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 19(9), 835–840.

Silveira, J.A.G., Araújo, S.A.M., Lima, J.P.M.S. & Viégas, R.A. (2009). Roots and leaves display contrasting osmotic adjustment mechanisms in response to NaCl-salinity in Atriplex numularia. Environmental and Experimental Botany, 66(1),1-8.

Souza, R. P., Machado, E. C., Silveira, J. A. G. & Ribeiro, R. V. (2011). Fotossíntese e acúmulo de solutos em feijoeiro caupi submetido à salinidade. Pesquisa agropecuária brasileira, 46(6), 586-592.

Terceiro Neto, C.P.C., Gheyi, H.R., Medeiros, J.F., Dias, N.S. & Campos, M.S. (2013). Produtividade e qualidade de melão sob manejo com água de salinidade crescente. Pesquisa agropecuária tropical, 43(4), 354-362.

Treichel, M., Kist, B.B., Santos, C.E., Carvalho, C. & Belling, R.R. (2016). Anuário brasileiro da fruticultura 2016. Santa Cruz do Sul: Editora Gazeta Santa Cruz.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Valéria Fernandes de Oliveira Sousa

ISSN: 2675-3065

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn