Contribuições do Plano de Manejo e do Conselho Gestor em Unidades de Conservação

Valdilene Valdice Santana, Patrício Rinaldo dos Santos, Marilene Vieira Barbosa

Resumo


Com a criação do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC) no ano 2000, passou-se a definir de modo sistemático os instrumentos e critérios para a gestão de áreas protegidas no Brasil. Com vista a preservar a biodiversidade e ordenar o acesso aos recursos naturais existentes, o SNUC prevê o plano de manejo e conselho gestor como principais instrumentos de gestão em unidades de conservação brasileiras. O SNUC trouxe importantes avanços no campo da gestão participativa em Unidades de Conservação, processo com o qual se pretende, primordialmente: legitimar o avanço democrático que representam tais espaços públicos no âmbito das políticas de conservação e proteção; compartilhar responsabilidades na proteção da UC, otimizando  recursos e aprimorando ações; estabelecer relações entre a UC e seu entorno, buscando integrar questões, ampliar a compreensão da realidade  e resolver problemas de forma mais efetiva. Esta pesquisa teve por objetivo descrever as contribuições do de Plano de Manejo e do Conselho Gestor para a gestão das Unidades de Conservação brasileiras. A pesquisa apresenta uma abordagem qualitativa de forma exploratória e descritiva. A partir de estudos realizados nas literaturas especializadas no tema, nos dados disponibilizados pelo Ministério do Meio Ambiente (2019), foi constatado que existem atualmente no Brasil 2376, desse total apenas 430 possuem plano de manejo e 670 conselho gestor. A legislação brasileira é abundante em dispositivos que permitem e normatizam a criação de Unidades de Conservação no país, porém, é preciso que haja eficiência quanto à aplicação da legislação, principalmente quanto a criação do plano de manejo e do conselho gestor.

Palavras-chave


, Políticas Públicas, Áreas Protegidas, Sociedade Civil, Gestão.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


ANDRADE, F. A. V.; LIMA, V. T. A. Gestão participativa em unidades de conservação: uma abordagem teórica sobre a atuação dos conselhos gestores e participação comunitária. RELEM – Revista Eletrônica Mutações, v. 7, n. 13. julho – dezembro, 2016.

BARROS, L.S.C.; LEUZINGER, M. D. Planos de manejo: Panorama, desafios e perspectivas. Cadernos do Programa de Pós-Graduação em Direito. v. 13, n. 02, 2018.

BRANDÃO, E. J.; VIEIRA, E. M. Instrumentos De Gestão Ambiental Nas Unidades De Conservação. Revista do Curso de Direito da Uniabeu, v. 2, n. 1, p. 1-11, 2012.

BRANDON, K. Perils to parks: the social context of threats. Parks in peril: people, politics, and protected areas. pp. 415-439. Island Press, Washington, D.C. Campos, L. F. G. 1998.

BRASIL, Ministério do Meio Ambiente, Plano de Manejo. Disponível em: https://mma.gov.br/areas-protegidas/unidades-de-conservacao/plano-de-manejo. Acesso em: 2019.

BRASIL, Ministério do Meio Ambiente. Conselhos Gestores. Disponível em:https://www.mma.gov.br/areas-protegidas/unidades-de-conservacao/conselhos-gestores.html, acessado em 2019.

BRASIL. Áreas Protegidas. Gestão Participativa do SNUC. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004.

BRASIL. Gestão Participativa do SNUC. Brasília: Ministério do Meio Ambiente/Secretaria de Biodiversidade e Florestas/ Diretoria do Programa Nacional de Áreas Protegidas/Programa Áreas Protegidas da Amazônia, 2004.

BRASIL. IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Lei do Sistema Nacional de Unidades de Conservação- SNUC. no 9.985, de 18 de julho de 2000

Brasil. Instituto Brasileiro Do Meio Ambiente, IBAMA. Brasilia, 2007.

BRASIL. Lei 11.516/2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade – Instituto Chico Mendes. Brasília, 2007.

BRASIL. Lei 9985, de 18 de julho de 2000. Institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União. 2000.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Plano Estratégico Nacional de Áreas Protegidas: Decreto nº 5.758, de 13 de abril de 2006. Ministério do Meio Ambiente. – Brasília: MMA/SBF, 2011.

BRITO, M. C. W. Unidades de Conservação: intenções e resultados. São Paulo: Annablume/ FAPESP, 2000.

BRITO, M. C. W. Unidades de Conservação: intenções e resultados. São Paulo: Annablume/ FAPESP, p. 214, 2000.

DURIGAN, G. Seleção de fragmentos prioritários para a criação de unidades de Conservação do cerrado no Estado de São Paulo. São Paulo, Rev. Inst. Flor., v. 18, p.23-37, 2006.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6ª Ed. São Paulo: Atlas, 2008.

HASSLER, M.L. A importância das unidades de conservação no Brasil. Revista Sociedade e Natureza. v.17. n. 33, 2005.

HENRY-SILVA, G. G. A importância das unidades de conservação na preservação da diversidade biológica. Revista Logos, v. 12, p. 127-151, 2005.

IBAMA-Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Efetividade de gestão das unidades de conservação federais do Brasil. Ibama, 1991.

IRVING, M. A., et al. Governança e áreas protegidas: Pensando o Contexto Brasileiro. Capítulo para o livro Áreas protegidas e Inclusão Social: Construindo Novos Caminhos, em elaboração, 2005.

IUCN.Governance of protected areas.From understanding to action. IUCNWCPA’s Best Practice Protected Area Guidelines. 2013.

LOUREIRO, C. F. B. (Org.). Educação ambiental e gestão participativa em unidade de conservação. 3ed. Rio de Janeiro: IBAMA/NEA, 2008.

LOUREIRO, C. F. B; CUNHA, C. C. Educação Ambiental e Gestão Participativa de Unidades de Conservação. Revista Prâksis, vol. 1, enero-junio, pp. 35-42, 2008.

MACHADO, P. A. L. Direito Ambiental Brasileiro. São Paulo: Malheiros Editores Ltda. 2000.

MILANO, M. S. Unidades de Conservação – Técnicas, Lei e Ética para a Conservação da Biodiversidade. In: BENJAMIN, A. H. (Coord.). Direito ambiental das áreas protegidas: o regime jurídico das unidades de conservação. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001.

MILANO, M. S. Unidades de Conservação: conceitos e princípios de planejamento e gestão. Curitiba, FUPEF. 65p., 1989.

MILANO, M. S., BERNARDES. A.T. & FERREIRA, L.M. Possibilidades Alternativas para o Manejo e o Gerenciamento das Unidades de Conservação. IBAMA. Brasília. 123p., 1993.

RODRIGUES, J. E. R. Sistema Nacional de Unidades de Conservação. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2005.

SALES, R. J. R. Relatório de Consultoria Referente ao Contrato 2003/003143 do Projeto PNUD BRA 00/009. Brasília, 2004.

SANTOS, A. A. B. Conselhos gestores de unidades de conservação. Tese. (Doutorado em Ciências Florestais) – Universidade de Brasília – Distrito Federal, 2008.

SILVA, C. E. F. Desenvolvimento de Metodologia para Análise da Adequação e Enquadramento de Categorias de Manejo de Unidades de Conservação. Dissertação (Mestrado em Conservação e Manejo de Recursos). Centro de Estudos Ambientais, Universidade Estadual Paulista - Rio Claro, 1999.

SILVA, R. F. T. Manual de Direito Ambiental. 5. ed. rev. e atual.2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Valdilene Valdice Santana, Patrício Rinaldo dos Santos, Marilene Vieira Barbosa

ISSN: 2675-3065

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn