Metodologia Trama Verde-Azul como instrumento de suporte para a gestão urbana e ambiental na cidade de Porto Alegre (Rio Grande do Sul)

Paulo Lima Lima Loge, André Luís Lopes da Silveira

Resumo


R E S U M O

 

O aumento da urbanização e o desafio do fenômeno das mudanças climáticas exigem que nossas cidades sejam mais resilientes e estruturadas para proporcionar ambientes mais saudáveis para o ser humano e a biodiversidade como um todo. À partir de dois Relatórios de Impacto Ambiental de empreendimentos imobiliários na cidade de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, (Brasil) é feito um estudo utilizando o sensoriamento remoto, geoprocessamento e uma análise multivariada por agrupamento e coordenadas principais pela matriz de similaridade euclidiana, complementada com uma análise comparativa de riqueza de espécies pelo índice de Shannon. O objetivo do trabalho é estruturar uma Metodologia Trama Verde-Azul como ferramenta que possa avaliar a qualidade ambiental a partir de dados ecológicos e espaciais a ser aplicada em estratos da paisagem para a restauração e conservação dos corredores de biodiversidade, sendo que os resultados apontam a influência da ação antrópica nas duas unidades amostrais analisadas, principalmente nos corpos d’água indicando a viabilidade do método a fim de auxiliar a tomada de decisão na gestão urbana e ambiental de acordo com a realidade local.

 

Palavras-Chaves: Geociências, Análise multivariada, Planejamento urbano, Trama Verde-Azul.

 

Green-Blue Grid Methodology as a support instrument for urban and environmental management in Porto Alegre (Brazil)

 

A B S T R A C T

 

The increase in urbanization and the challenge of the phenomenon of climate change demand that our cities be more resilient and structured to provide healthier environments for human and biodiversity as a whole. Based on two Environmental Impact Reports of real estate projects in the city of Porto Alegre, Rio Grande do Sul, (Brazil) a study is make using remote sensing, geoprocessing and a multivariate analysis by clustering and principal coordinates by the Euclidean similarity matrix, complemented with a comparative analysis of species richness by the Shannon index. The objective of the work is to structure a Green-Blue Methodology as a tool to evaluate environmental quality from ecological and spatial data of landscape strata to improve and protect the biodiversity ways. The results suggest the influence of anthropic action on the two sample units analyzed and especially in water indicating the viability of the method in order to assist decision-making in urban and environmental management according to the local reality.

 

Keywords: Geosciences, Multivariate analyze, Urban planning, Green-Blue Grid.


Palavras-chave


Geociências, Análise multivariada, Planejamento urbano, Trama Verde-Azul.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


AMSALLEM, J., DESHAYES, M., & BONNEVIALLE, M. (janeiro de 2010). Analyse comparative de méthodes d'élaboration de trames vertes et bleues nationales et régionales. Sciences Eaux & Territoires, pp. 40-45. doi:10.3917/set.003.0040

BAESSE, C. Q. (fevereiro de 2015). Aves como biomonitoras da qualidade ambiental em fragmentos florestais do Cerrado. Dissertação (Mestrado em Ecologia). Dissertação (Mestrado em Ecologia), 113. Uberlândia, Minas Gerais, Brasil. doi:https://doi.org/10.14393/ufu.di.2015.218

BEGON, M., TOWNSED, C. R., & HARPER, J. L. (2006). Ecology from individuals to ecosystems (4ª ed.). Oxford, Inglaterra: Blackwell publishing Ltd.

BOCARD, D., GILLET, F., & LEGENDRE, P. (2011). Numeral ecology with R. Montreal, Canadá: Springer New York Dordrecht London Heidelberg. doi:10.1007/978-1-4419-7976-6

BRAGA, M. R. (20 de 05 de 2015). Mudanças climáticas e migração de aves (TYRANNIDAE) nas Américas. Dissertação (Mestrado em Ecologia), 6. Campinas, São Paulo, Brasil.

CABRAL, G. F. (2016). Praça, Palácio, Cidade: uma unidade desde as origens. Em W. Panizzi, Outra vez Porto Alegre - A cidade e seu planejamento (pp. 47-54). Porto Alegre: Circula.

CASSATTI, L., FERREIRA, C. P., & LANGEANI, F. (2009). A fish-based biotic integrity index for assessment of lowland streams in southeastern Brazil. Hydrobiologia, pp. 173-189. doi:10.1007/s10750-008-9656-x

DELFINO, H. (2020). Quero-quero (vanellus chilensis). (U. F. (UFRGS), Produtor) Acesso em 30 de setembro de 2020, disponível em Fauna digital do Rio Grande do Sul: https://www.ufrgs.br/faunadigitalrs/quero-querovanellus-chilensis/

GOMES, D. F., SCHWARTZMAN, L. F., FONSECA, E. L., & SALDANHA, D. L. (maio de 2020). Identificação e mapeamento de unidades homogêneas do bioma Pampa utilizando imagens Sentinel-2 no Complexo Eólico Cerro Chato, Santana do Livramento, RS. Brazilian Journal of Development, 6, pp. 29497-29506. doi:10.34117/bjdv6n5-414

HAMMER, Ø. (1999-2012). Reference manual. Oslo, Noruega. Acesso em 20 de dezembro de 2021

HASENACK, H., & Et.al. (março de 2008). Diagnóstico Ambiental de Porto Alegre. I.

LEGENDRE, P., & LEGENDRE, L. (2012). Numerical ecology (3ª ed.). Paris, Quebec, França, Canadá: Elsevier.

LEMA, T. d., & MARTINS, L. A. (2011). Anfíbio do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: EdiPucRS.

LOGE, P. L. (2018). Estudo de caso para implantação de trama Verde-Azul na sub-bacia hidrográfica do Arroio Cascata, Porto Alegre, RS, Brasil. Dissertação (Mestrado em Planejamento Urbano e Regional), 96- 98-115-119. Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. Fonte: http://hdl.handle.net/10183/188436

MAGALHÃES, F. N. (novembro de 2008). Da metrópole à cidade-região, na direção de um novo arranjo espacial metropolitano? Revista brasileira de estudos urbanos e regionais, 10, pp. 9-27. doi:http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2008v10n2p9

MAGNUSSON, W. E., LIMA, A. P., LUIZÃO, R., LUIZÃO, F., COSTA, F. R., CASTILHO, C. V., & KINUPP, V. F. (05 de fevereiro de 2005). RAPELD: A modification of the Gentry method for biodiversity surveys in long-term ecological research sites. Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, 5, (n2). doi:https://doi.org/10.1590/S1676-06032005000300002

MAGURRAN, A. E. (1988). Ecological Diversity and Its Measurement. Nova Jersey: Princeton University Press.

MAGURRAN, A. E. (2005). Biological diversity. Currenty Biology, 5 n.4, R116-R118. doi:10.1016/j.cub.2005.02.006

MELO, A. S. (Jul-Set de 2008). O que ganhamos 'confundindo' riqueza de espécies e equabilidade em um índice de diversidade? Biota Neotropica, 8 nº 3. doi:https://doi.org/10.1590/S1676-06032008000300001

MENEGAT, R., & al., e. (1998). Atlas ambiental de Porto Alegre. Porto Alegre: Editora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Fonte: https://www.ufrgs.br/atlas/

PILLAR, V. D. (dezembro de 1999). How sharp are classifications? Ecology, 80(Ecologycal Society of America), pp. 2508-2516. doi:http://dx.doi.org/10.2307/177236

PÖTZ, H. (2012). Groenblauwe netwerken - handleiding voor veerkrachtige steden / Green-Blue Grids - manual for resilient cities. Roterdan, Holanda: Atelier Groenblauwe.

PRESTES, R. M., & VINCENCI, K. L. (julho / setembro de 2019). Bioindicadores como avaliação de impacto ambiental. Brazilian Journal of Animal and Environmental Research, pp. 1473-1493. Acesso em 26 de setembro de 2021, disponível em https://www.brazilianjournals.com/index.php/BJAER/article/view/3258

PROFILL. (2007). Condomínio Residencial Belém Novo. Impacto Ambiental, Profill Engenharia e Ambiente Ltda., Porto Alegre.

PROFILL. (2009). Empreendimento de Interesse Social Beco do Davi. Impacto Ambiental, Profill Engenharia e Ambiente Ltda., Porto Alegre.

REIS, D. (30 de setembro de 2020). Teiú (Salvatore meriane). Fonte: Fauna digital do Rio Grande do Sul: https://www.ufrgs.br/faunadigitalrs/teiu-salvator-merianae/

SANTANA, D. J. (30 de setembro de 2020). Museu de zoologia João Moojen. (U. F. Viçosa, Editor) Acesso em 2020, disponível em Bicho da vez - sapo Martelo: http://www.museudezoologia.ufv.br/bichodavez/edicao07.htm

SILVEIRA, A. L. (2018). Trama Verde-Azul e drenagem urbana sustentável. Em N. Ladwig, & H. Schwalm, Planejamento e gestão territorial: A sustentabilidade dos ecossistemas urbanos (pp. 69-91). Criciúma, Santa Catarina, Brasil: Ediunes. doi:http://dx.doi.org/10.18616/pgt03

SILVEIRA, F. F. (2020). Fauna digital do Rio Grande do Sul. (U. F. Sul, Editor) Acesso em 02 de outubro de 2020, disponível em Tatu-galinha (dasypus-novemcinctus): https://www.ufrgs.br/faunadigitalrs/mamiferos/ordem-cingulata/familia-dasypodidae/tatu-galinha-dasypus-novemcinctus/

SILVEIRA, L. F., BEISIEGEL, B. d., CURCIO, F. F., VALDUJO, P. H., DIXO, M., VERDADE, V. K., . . . CUNNINGHAM, P. T. (17 de maio de 2010). Para que servem os inventários de fauna? Estudos Avançados, 24 (n68), pp. 173-207. doi:https://doi.org/10.1590/S0103-40142010000100015

SUL, E. R. (2017). Unidades de conservação estaduais. Governo do estado do Rio Grande do Sul. Acesso em 14 de dezembro de 2021, disponível em https://sema.rs.gov.br/upload/arquivos/201711/07144212-unidades-de-conservacao-estaduais-rio-grande-do-sul.pdf

THIELE, K., & MELVILLE, J. (2021). Cerca de 500.000 espécies australianas não foram descobertas - e os cientistas estão em uma missão de 25 anos para terminar o trabalho. Acesso em 21 de setembro de 2021, disponível em The conversation: https://theconversation.com/about-500-000-australian-species-are-undiscovered-and-scientists-are-on-a-25-year-mission-to-finish-the-job-161793

WINSTON, J. E. (1999). Describing Species - Practical Taxonomic Procedure for Biologists. New York, Estados Unidos: Columbia University Press.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 Paulo Lima Lima Loge, André Luís Lopes da Silveira

Meio Ambiente (Brasil) | ISSN: 2675-3065

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn