Banheiro seco como alternativa sanitária e ecológica: levantamento das implementações no Brasil

Ingrid Luna Baia Viana, Denize Mendes de Castro, Jamile Caroline Moreira Batista, Juliana Melo de Sousa, Lais Victoria Ferreira de Sousa

Resumo


O banheiro seco é considerado uma alternativa de saneamento por unir soluções hidrossanitárias sustentáveis de baixo custo, pois a desigualdade existente no atendimento aos serviços de saneamento básico no Brasil corrobora para a busca de novas tecnologias capazes de suprir a demanda existente; todavia, há uma escassez de pesquisas sobre o tema no país. Esse estudo consiste em um
levantamento acerca da implementação do banheiro seco no Brasil, fomentando a difusão de conhecimentos sobre esta tecnologia. Os artigos demonstram viabilidade quanto ao uso, sendo útil, principalmente, em comunidades sem acesso aos serviços básicos de saneamento e que possuem requisitos (espaço e interesse) necessários para implementação. Além disso, existe a possibilidade de
geração de renda, já que o sistema resulta em insumos que podem ser utilizados como adubo, minimizando os impactos ambientais e contribuindo para o desenvolvimento social. Todavia, por se tratar de uma tecnologia pouco difundida no Brasil, a literatura analisada indica certa resistência da população a princípio, demonstrando a necessidade de mais estudos e difusão dessa alternativa no país.


Palavras-chave


Compostagem; Qualidade de Vida; Saneamento Básico; Tecnologia Sustentável

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Alencar, M. H. B. C. (2014). Tratamento alternativo de dejetos humanos na comunidade de Coquilho, Zona Rural de São Luís-Ma. Dissertação de mestrado, Saúde e Meio Ambiente, Universidade Federal do Maranhão, São Luis, MA, 106, Brasil.

Alves, B. S. Q. (2009). Banheiro seco: análise da eficiência de protótipos em funcionamento. Monografia, Bacharelado em Ciências Biológicas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, 158, Brasil.

Amatuzi, B.; Botega, J. L.; & Celante, L. S. (2013). Implementação de banheiro seco como proposta de saneamento ecológico. Monografia, Tecnologia em Gestão Ambiental, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Medianeira, PR, 62, Brasil.

Barroso, L. B. (2002). Saneamento básico: competências constitucionais da União, Estados e Municípios. Revista de Informação Legislativa, 38(153), 255-270.

Bastiani, M. C.; & Klen, E. R. (2019). Banheiro Seco como uma ferramenta educativa no Colégio Agropecuário de Natividade em Tocantins. Revista Participação - UnB, 1(32), 10-21.

Botto, M. P.; Mota, F. S. B.; Stefanutti, R..; & Santos, A. B. (2010). Estudo e aplicação de sanitários de compostagem (Bason) em comunidades desprovidas de saneamento básico no estado do Ceará. Anais do X Simpósio Ítalo-Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. Maceió, 2010.

BRASIL. Lei n°. 11.445 de 5 de janeiro de 2007, que estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico. Diário Oficial da União, 05 de jan. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/lei/l11445.htm>. Acessado em 23 de junho de 2020.

Brito, B. N.; Santiago, M. A. A.; Rezende, A. A. P.; & Pires, F. J. (2013, setembro). Avaliação do desempenho de dispositivos em um sanitário compostável de bancada. Anais do 27º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental, Viçosa, MG, Brasil, 6.

Castro, A. B. C.; & Castro, S. R. S. (2019). Banheiro ecológico uma alternativa sustentável para comunidades no interior da Amazônia. Nature and Conservation, 12(2), 1-10.

Coelho-Souza, S.; Marba, P.; Miranda, M.; Agum, R.; Pitarello, B.; Vannier, M.; Panetti, C.; Fuentes, E.; Azevedo-Silva, C. E.; Malm, O.; & Bastos, W. (2015, setembro). Alternativas sustentáveis na falta de saneamento básico para populações ribeirinhas amazônicas: uma abordagem desde a indagação comunitária até a bioconstrução coletiva. Anais do VII Simpósio Nacional de Geografia da Saúde, Brasília, DF, Brasil, 1050-1064.

Demenighi, A. L. (2013). Parâmetros projetuais para a implantação de sanitários secos desidratadores com desvio de urina (SSD). Monografia, Bacharelado em Engenharia Civil, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 175, Brasil.

Dias, L. S.; Alves, B. S. Q.; Pinto, C. J. C.; Moura, C. M. M.; Weber, P. A. P.; & Silveira, W. J. C. (2008). Modelo sustentável de saneamento: edificação de banheiro seco com capacitação de mão-de-obra e educação ambiental. Anais do VII Seminário Internacional Espaço sustentável: inovações em edifícios e cidades, São Paulo, Brasil, 1-18.

Dias, O. C.; Costa, V. B.; Oliveira, N. C.; Guimarães, N. S.; Xavier, B. M. H.; Balieiro, M. P.; & Costa, K. G. (2018). Proposta de tecnologias ecológicas de saneamento básico na comunidade de Mapiraí de Baixo - Cametá - PA. Revista Craibeiras de Agroecologia, 2(1), 6971.

Fernandes, M. M..; Neto P. M.; Oshiro, G. T.; Paiva, H. I.; Luiz, P. H. D.; & Lima, V. F. P. (2018, setembro). Construção do banheiro seco no Núcleo de Estudos em Agroecologia Yebá. Anais do VI Congresso Latino-Americano, X Congresso Brasileiro de Agroecologia e V Seminário do Distrito Federal e Entorno, Brasília, DF, Brasil, 7.

Ferrari, R. A. (2018). Análise da aplicabilidade de sistemas alternativos de saneamento rural e seus parâmetros de projeto considerando variáveis ambientais e socioculturais. Monografia, Bacharelado em Engenharia Ambiental, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, 98, Brasil.

Fordington (2014). Life of Reverend Henry Moule M.A. (1801 – 1880), disponível em: . Acesso em 03 de junho de 2020.

Guarim, L. V. (2000, novembro). Sustentabilidade ambiental em comunidades ribeirinhas tradicionais. III Simpósio sobre Recursos Naturais e Sócio-econômicos do Pantanal, Corumbá, MS, 33.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2011a). Atlas saneamento: saneamento básico melhora em todas as regiões do país, mas diferenças ainda existem, disponível em: Acesso em 03 de junho de 2020.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2019b). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Anual - PNADC/A, disponível em: Acesso em 04 de junho de 2020.

Impagliazzo, M.; Agrello, M. P.; & Escola, J. J. (2019, setembro). Húmus Sapien: o banheiro seco como solução sanitária. Anais do 16º Congresso Nacional de Meio Ambiente, Poços de Caldas. Rio de Janeiro, Brasil, 5.

IPEA – Instituto de Pesquisa e Estatística Aplicada. (2016). Desenvolvimento Humano nas Macrorregiões Brasileiras. Brasília, disponível em: < http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/6217/1/Desenvolvimento%20humano%20nas%20macrorregi%C3%B5es%20brasileiras.pdf>. Repositório do Conhecimento do Ipea. Acesso em 04 de junho de 2020.

ITB – Instituto Trata Brasil (2012a). Manual do Saneamento Básico, disponível em: . Acesso em 03 de junho de 2020.

ITB – Instituto Trata Brasil (2018b). Novo estudo mostra que Brasil deixa de gerar benefícios de até 1,2 trilhão com ausência do saneamento básico, disponível em: . Acesso em 23 de junho de 2020.

ITB – Instituto Trata Brasil (2019c). Saneamento Básico: Agora ou Nunca, disponível em: . Acesso em 23 de junho de 2020.

Lemos, S. S. (2010). Estudo de banheiro seco e desenvolvimento de materiais de capacitação para sua implantação e aproveitamento dos subprodutos gerados. Monografia, Bacharelado em Engenharia Sanitária e Ambiental, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, 66, Brasil.

Leoneti, A. B.; Prado, E. L.; & Oliveira, S. V. W. B. (2011). Saneamento básico no Brasil: considerações sobre investimentos e sustentabilidade para o século XXI. Revista de Administração Pública – RAP, 45(2), 331-348.

Magri, M. E (2013). Aplicação de processos de estabilização e higienização de fezes e urina humanas em banheiros secos segregadores. Tese de Doutorado, Engenharia Ambiental, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, 193, Brasil.

Magri, M. E.; Francisco, J. G. Z.; Souza, R. C.; & Fhilippi, L. S. (2015, outubro). Avaliação de um modelo de banheiro seco separador e processos de tratamento de fezes e urina humanas. Anais do 28° Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 10.

Magri, M. E.; Philippi, L. S.; & Vinnerås, B. (2013). Inactivation of Pathogens in Feces by Desiccation and Urea Treatment for Application in Urine-Diverting Dry Toilets. Applied And Environmental Microbiology, (79)7, 2156-2163.

Mantovanelli, D. F.; & Aguiar, B. G. de (2018, setembro). Banheiros secos da UFRRJ: Poupando água, produzindo adubo e ensinando sustentabilidade à baixo custo. Anais do VI Congresso Latino-Americano, X Congresso Brasileiro de Agroecologia, V Seminário do Distrito Federal e Entorno, Brasília, DF, Brasil, 13.

Marques, A. L. do V.; Negro, G. S.; Neto, J. F. L.; Takara, J. Y.; & Goia, K. Y. (2018). Avaliação da viabilidade de banheiros secos e a efetividade do uso de seu composto no cultivo de hortaliças. São Carlos, SP. Disponível em: . Acesso em: 04 de maio de 2020

Marques, J. L. (2010). Estudo de caso: Diagnóstico do uso e manejo de sanitário compostável localizado em Ratones, Florianópolis. Monografia, Bacharelado em Engenharia Sanitária e Ambiental, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, 79, Brasil.

Miranda, A.; Antunes, D.; Rodrigues, G.; & Salla, L. (2017). Práticas agroecológicas como ferramenta educativa libertadora: experiências do coletivo MECA no sertão de Mossoró-RN. Cadernos De Agroecologia, 12(1), 1-11.

Moura, L.; Landau, E. C.; & Ferreira, A. de M. (2016). Variação Geográfica do Saneamento Básico no Brasil em 2010: domicílios urbanos e rurais. Brasília, DF: Embrapa, cap. 8, 189-211.

Nações Unidas Brasil (2015). Transformando Nosso Mundo: A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, disponível em: Acesso em: 14 de julho de 2020.

Neu, V.; Santos, M. A. S.; & Meyer, L. F. F. (2016). Banheiro ecológico ribeirinho: saneamento descentralizado para comunidades de várzea na Amazônia. Em Extensão, 1(15), 28-44.

Ota, L. A. M. (2018). Prospecções e aplicações para o saneamento seco no Brasil. Monografia, Bacharelado em Engenharia Ambiental, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, SP, 76, Brasil.

Painel Saneamento Brasil (2018). Explore os Indicadores por Ano, disponível em: < https://www.painelsaneamento.org.br/explore/ano?SE%5Ba%5D=2018&SE%5Bo%5D=a>. Acesso em 09 de junho de 2020.

Paulo, J. M. G.; Prim, M. B. S.; & Rubin, J. G. K. R. (2014). Banheiro seco: um exemplo de ecotécnica (estudo de caso). Maiêutica - Tecnologia e Meio Ambiente, 1(1), 29-34.

Pilz, S. E.; & Sattler, M. A. (2004, outubro). Banheiros compostáveis: uma solução mais sustentável evitando a geração de águas negras. Anais do Congresso Brasileiro de Ciência e Tecnologia em Resíduos e Desenvolvimento Sustentável, Florianópolis, SC, Brasil, 11.

Pinto, L. G. A. G. G.; Maradini, P. da S.; Alves, M. S.; & Rezende, A. A. P. (2015, outubro). Sanitário seco compostável: percepção na comunidade acadêmica. Anais do 28º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 9.

Porto, L. O. da S.; & Simões, L. G. S. R. (2016). Banheiro seco como solução sanitária para comunidades em extrema pobreza: Um estudo de caso de Jardim Gramacho. Monografia, Bacharelado em Engenharia Ambiental, Universidade Federal do Rio de Janeiro, RJ, 154, Brasil.

Rebouças, T. C. (2010). Estabilização e higienização de fezes humanas através de compostagem em regime de batelada. Dissertação de mestrado, Engenharia Ambiental, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, ES, 103, Brasil.

Rebouças, T. C.; Moura, L. Z.; Souza, C. P.; Rebouças, C. C.; & Gonçalves, R. F. (2015, setembro) Desenvolvimento de um sanitário seco/segregador para as práticas do saneamento ecológico. Anais do 25º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária E Ambiental, Recife, PE, Brasil, 10.

Sá, M. C. de (2011). Avaliação da qualidade do composto e dos aspectos construtivos e operacionais de banheiros compostáveis. Dissertação de mestrado, Tecnologia e Inovação, Universidade Estadual de Campinas, Limeira, SP, 136, Brasil.

Sá, M. C. de.; Santos, C.; & Ribeiro, L. C. L. J. (2009, setembro). Banheiro Compostável: Vantagens e Aplicações. Anais do 25º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental, Recife, PE, Brasil, 10.

Sabei, T. R.; & Bassetti, F. de J. (2013). Alternativas ecoeficientes para tratamento de efluentes em comunidades rurais. Fórum Ambiental da Alta Paulista, 9(11), 487-503.

Sampaio, J. P. (2016). Avaliação das tecnologias de tratamento de esgoto sanitário tanque séptico, filtro biológico, biodigestor e banheiro seco em comunidades desprovidas de serviço de saneamento básico. Monografia, Bacharelado em Engenharia Ambiental. Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, SP, 117, Brasil.

Santos, H. R.; Adrião, J. M. A.; & Dias, W. A. S. (2016, novembro). Saneamento básico para comunidades quilombolas na região do Vão Grande, Barra do Bugres/MT. 4° Encontro em Engenharia de Edificações e Ambiental, Cuiabá, MT, Brasil, 10.

SIDRA – Sistema IBGE de Recuperação Automática (2015a). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - PNAD, disponível em: . Acesso em: 05 de junho de 2020.

SIDRA – Sistema IBGE de Recuperação Automática (2015b). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Anual - PNADC/A, disponível em: . Acesso em: 05 de junho de 2020.

SIDRA – Sistema IBGE de Recuperação Automática (2017c). Produto Interno Bruto a preços correntes, disponível em: . Acesso em: 04 de junho de 2020.

Silva, A. C. da.; & Alencar, M. H. B. C. (2014). Tecnologia social visando à promoção de saúde em uma comunidade rural de São Luís, MA. Saúde & Transformação Social. 5(1), 66-72.

Silva, S. C. D. S.; Mota, J. J. P.; & Silva, A. C. (2014). A participação social na implantação do banheiro seco como alternativa para promoção de saúde em dez comunidades rurais maranhenses. Revista De Geografia Agrária. 9(19), 363-378.

Smith, R. E. (2015). Avaliação de um banheiro seco com vaso segregador em Florianópolis, SC. Dissertação de mestrado, Engenharia Ambiental, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, 140, Brasil.

SNIS – Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (2018). Esgotamento sanitário em 2018, disponível em: . Acesso em: 03 de junho de 2020.

Sousa, C. S. S.; & Silva, A. (2014, outubro). Avaliação da implantação de banheiros secos em comunidades situadas na zona rural do baixo Munim, Maranhão. Anais do I Congresso Brasileiro de Geografia Política, Geopolítica e Gestão do Território, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 12.

Souza, S. A. D. e. (2014). Saneamento com base na compostagem: uma abordagem para confrontar a crise sanitária na Universidade de Mekelle, Tigrai, Etiópia. Dissertação de mestrado, Práticas em Desenvolvimento Sustentável, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, RJ, 75, Brasil.

Teixeira, M. B.; & Motta, A. L. T. S. da. (2008, agosto). Sanitário seco compostável, uma alternativa viável de saneamento ambiental. Anais do IV Congresso Nacional de Excelência em Gestão, Niterói, RJ, Brasil, 22.

Ushijima, K.; Hijikata, N., Ito, R.; & Funamizu, N. (2012). Effect Estimation of Dry-Toilet Application for Rural Farmer Family in Burkina Faso. Journal of Arid Land Studies, 22(1), 99-102.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Ingrid Luna Baia Viana, Denize Mendes de Castro, Jamile Caroline Moreira Batista, Juliana Melo de Sousa, Lais Victoria Ferreira de Sousa

ISSN: 2675-3065

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn