Trabalhadores rurais e acesso à renda: estudo sobre a agricultura familiar orgânica em Pernambuco (Brasil)

Clécia Pereira da Silva, Glauciene Farias Rocha, Fabíola Araújo da Silva

Resumo


Este trabalho busca apresentar o modelo de produção da agricultura familiar orgânica em Pernambuco, a partir de suas potencialidades e desafios na geração de renda dos agricultores familiares orgânicos. A pesquisa possui como fundamento o método histórico-dialético. Assim, para a aproximação com o conhecimento já produzido sobre a temática do estudo foi realizada uma pesquisa bibliográfica e consultados bancos de dados secundários de diferentes fontes: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Anuário Brasileiro da Agricultura Familiar, Secretaria de Reforma Agrária de Pernambuco e Relatórios de Pesquisas do Centro Sabiá, Organização Não Governamental (ONG) com atuação do estado de Pernambuco. Os principais achados da pesquisa demostram que na realidade pernambucana os agricultores que adotam princípios da agroecologia acabam adquirindo vantagens sociais, ambientais e financeiras em relação às famílias que trabalham sob moldes da agricultura industrial. Alguns produtores orgânicos chegam a ganhar até R$ 3 mil a mais, através do uso de práticas que não agridem o meio ambiente, em comparação aos agricultores que utilizam agrotóxicos. Apesar deste contexto muitos desafios se apresentam a produção orgânica, a exemplo do incentivo ao uso de agrotóxicos e das dificuldades no acesso a políticas e programas de financiamento em âmbito governamental.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


ALTIERE, M., NICHOLLS, C. Agroecología única esperanza para la soberanía alimentaria y la resiliencia socioecológica: Una contribución a las discusiones de Rio+20 sobre temas en la interface del hambre, la agricultura, y la justicia ambiental y social. Sociedade Latinoamaricana de Agroecologia (SOCLA), 2012.

BAZO, S. A; SERRA, E. A Agricultura orgânica como alternativa econômica para o pequeno produtor rural familiar em Umuarama – Noroeste do Paraná. Revista do Paraná, Santa Catarina, Vol. 15, Nº 1, 2016.

BRASIL. Cadastro Nacional de Produtores Orgânicos. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento(MAPA), 2018. Disponível em:http://www.agricultura.gov.br/assuntos/sustentabilidade/organicos/cadastronacional-

produtores-orgânicos. Acesso em: 25 de Ago. de 2018

BRASIL. Ministério de Desenvolvimento Agrário. Agricultura Familiar e o Desenvolvimento Agrário: o que é agricultura familiar. Disponível em: http://www.mda.gov.br/sitemda/noticias/o-que-%C3%A9-agricultura-familiar. Acesso em 11 Set. 2018.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuário e Abastecimento. Insumos Agrícolas. Disponível em: . Acesso em: 03 Set. 2018.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Emenda Constitucional Nº 42, de 19 de dezembro de 2003. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 31 dez. 2003. p. 3.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Lei Federal Nº 11.326, de 24 de julho de 2006. Estabelece as diretrizes para a formulação da Política Nacional da. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 25 jul. 2006. Seção 1, p. 1.

BRASIL, Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário. Agricultura familiar do Brasil é 8ª maior produtora de alimentos do mundo. Disponível em: Acesso em: 20 Ago. 2018.

BRASIL, Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário. Mais orgânicos na mesa do brasileiro em 2017. Disponível em: . Acesso em: 20 Ago. 2018.

BRASIL, Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário. Semana do agricultor: importância da agricultura familiar. Disponível em: . Acesso em: 20 Ago. 2018.

CARNEIRO, M. J; PALM, J. L; ALVARENGA, A. C. Informando política pública: uma revisão bibliográfica sobre Pronaf e qualidade de vida (2006-2013). BERGAMASCO, S. M. P. P, Org(s), Agricultura Familiar Brasileira: Desafios e Perspectivas de Futuro. Brasília, Sec. Esp. de Agr. Fam. e do Des. Agrário, 2017, pp. 64-81.

CANTALICE, J. B. O. Neoconservadorismo na produção do conhecimento em Serviço Social: tensões entre o pós-moderno e o projeto profissional. Revista Temporalis, n. 32, jul/dez, 2016.

CENTRO SABIÁ. Relatório sistemas alimentares. Disponível em: . Acesso em: 20 Ago. 2019.

CENTRO SABIÁ. Caminhos para a construção de sistemas alimentares. Disponível em: . Acesso em: 20 Ago. 2019.

CONSELHO BRASILEIRO DE PRODUÇÃO ORGÂNICA. Consumo de produtos orgânicos no Brasil. Disponível em: < https://www.organicsnewsbrasil.com.br/wp-content/uploads/2017/06/Pesquisa-Consumo-de-Produtos-Org__nicos-no-Brasil-Palestra-07Jun-1.pdf>. Acesso em: 20 Ago. 2018.

CONSELHO NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL. A Segurança Alimentar e Nutricional e o Direito Humano à Alimentação Adequada no Brasil: indicadores e monitoramento da constituição de 1988 aos dias atuais. Disponível em: < http://www4.planalto.gov.br/consea/publicacoes/seguranca-alimentar-e-nutricional/a- brasil-indicadores-e-monitoramento/relatorio-consea.pdf>. Acesso em: 20 Ago. 2018.

DICOTOMIA. Projetos Sociais. Disponível em: . Acesso em: 20 Ago. 2019.

FONTES, V. A transformação dos meios de existência em capital: expropriações, mercado e propriedade. In: Expropriação e Direitos no capitalismo. Boschetti, I. (org). SP: Cortez, 2018.

FREITAS, J. C. Agricultura Sustentável: Uma análise comparativa dos fatores de produção entre Agricultura Orgânica e Agricultura Convencional. 2002. Dissertação (Mestrado em Economia) - Departamento de Economia. Universidade de Brasília, Brasília, 2002.

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio. 2014. Disponível em: . Acesso em: 26 ago. 2018.

IBGE. Produção Agrícola Municipal. 2016. Disponível em: . Acesso em: 26 ago. 2018.

IAPE. Dados da agricultura familiar do Estado de Pernambuco. 2019. Disponível em: . Acesso em: 26 Jan. 2019.

KAGEYAMA, A. Desenvolvimento rural: conceito e medida. Caderno de Ciência e Tecnológica, Brasília, Vol. 21, Nº 3, set./dez., 2004. 15

MARX, K. O Capital: crítica da economia política. Tradução por Regis Barbosa

e Flávio R. Kothe. São Paulo: Abril Cultural, 1985a. Livro 1, v.1, t.1. (Os economistas).

MARTINS, R. V.; BRAUN, M. B. S; LIMA, J. F.; STADUTO, J. A. R. Agricultura orgânica como fonte de emprego e renda: um estudo de caso da produção vitinícola. In: XLIV Congresso da Sociologia Brasileira de Economia e Sociologia Rural, Fortaleza. XLIV, Vol. 1, Nº 1, p. 1, 2006.

MATTEI, L. O papel e a importância da agricultura familiar no desenvolvimento rural brasileiro. Rev. Econ.NE. Fortaleza, 2014 (suplemento especial).

MÉSZÁROS, István. O século XXI – socialismo ou barbárie? São Paulo, Boitempo Editorial, 2003.

NETTO, J. P. Introdução ao estudo do método de Marx. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

OLIVEIRA, K. S. C. Segurança Alimentar e Nutricional Dos Agricultores Familiares da Associação dos Produtores e Produtoras Orgânicas de Ceará Mirim/RN. 2014. 100f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) -, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2014.

RIGOTTO, R. M; PAIXÃO, D; VASCONCELOS, M. M. R. Uso de agrotóxicos no Brasil e problemas para a saúde pública. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, Vol. 30, Nº 7, jul., 2014.

ROCHA, E. M. B; LIMA, R.T; ALMEIDA, P.C. Insegurança alimentar relacionada à área de residência em município do Semiárido brasileiro. Caderno de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, Vol. 2, Nº 22, pp. 205-211, 2014.

SERTA. Projetos. Disponível em: . Acesso em: 26 Jan. 2019.

SILVA, V. M. S. As feiras de base agroecológica em Recife – Pernambuco: trocas de saberes, sabores e ideias sustentáveis. 2016. 103 f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Extensão Rural e Desenvolvimento Local) - Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, 2016.

SOARES, W. L.; FREITAS, E. A. V; COUTINHO, J. A. G. Trabalho rural e saúde: intoxicações por agrotóxicos no município de Teresópolis – RJ. Revista de Economia e Sociologia Rural, Brasília, V. 43, Nº 4, Oct./Dec., 2005.

SOUZA, R. A. de; LYRA, M. R. C. C;SILVA, M. T. S. da. O cenário da agricultura familiar em Pernambuco sob o viés da sustentabilidade. Disponível em: . Acesso em: 26 Out. 2019.

SCHNEIDER, S.; CASSO, B. Diversidade e heterogeneidade da agricultura familiar no Brasil e algumas implicações para políticas públicas.: In: DELGADO, G. C, BERGAMASCO, S. M. P. P, Org(s), Agricultura Familiar Brasileira: Desafios e Perspectivas de Futuro. Brasília, Sec. Esp. de Agr. Fam. e do Des. Agrário, 2017, pp. 64-81.

TEUBAL, Miguel. O campesinato frente à expansão dos agronegócios na América Latina. In.: PAULINO, Eliane Tomiasi; FABRINI, João Edmilson (org.). Campesinato e territórios em disputa. 1. Ed. – São Paulo: Expressão Popular: UNESP. 2008

VERONEZZI, F; BASTOS, T. L. Agricultura familiar orgânica: alternativa de permanência no campo para o pequeno produtor da região centro-sul do estado do Paraná. 2012. Disponível em: < http://www.lagea.ig.ufu.br/ >. Acesso 02 set. 2018.

WANDERLEY, M. N. B. “Franja Periférica”, “Pobres do Campo”, “Camponeses”: dilemas da inclusão social Dos pequenos agricultores familiares. In: DELGADO, G. C, BERGAMASCO, S. M. P. P, Org(s), Agricultura Familiar Brasileira: Desafios e Perspectivas de Futuro. Brasília, Sec. Esp. de Agr. Fam. e do Des. Agrário, 2017, pp. 64-81.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Clécia Pereira da Silva, Glauciene Farias Rocha, Fabíola Araújo da Silva

ISSN: 2675-3065

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn