Uma análise da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável a partir dos Direitos Humanos e da Natureza

Natália de Oliveira Melo, Timothy Denis Ireland

Resumo


A pauta socioambiental tem ganhado espaço nas discussões a nível mundial. A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável é reflexo dessa preocupação com o futuro do planeta. Nossos estudos se debruçam por uma abordagem dos Direitos Humanos e da Natureza, onde todas as formas de vida são respeitadas e preservadas. O presente texto busca refletir sobre qual a perspectiva ambiental está presente na Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. Primeiro buscaremos explicar os principais elementos da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável e em seguida vamos analisar essa Agenda a partir da perspectiva dos Direitos Humanos e da Natureza que embasa nossos estudos. Para isso nossa pesquisa se guia por uma abordagem qualitativa, bibliográfica, exploratória e documental. A partir da perspectiva dos Direitos Humanos e da Natureza percebemos o cunho exploratório e antropocêntrico vigente na Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.


Palavras-chave


Direitos Humanos, Natureza, Agenda, Desenvolvimento Sustentável.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Acosta, A. (2019). O bem viver: uma oportunidade para imaginar outros mundos. Editora Elefante.

Arauz, A. (2014). “Post-crecimiento y buen vivir: las relaciones de poder del crecimiento para el buen vivir”, en G. Endara (ed.), Post-crecimiento y Buen vivir. Propuestas globales para la construcción de sociedades equitativas y sustentables. Quito: FES-ILDIS, 273-288.

Boito Júnior, A. (1998). Política neoliberal e sindicalismo no Brasil.

Foladori, G. (2002). Avanços e limites da Sustentabilidade social. Revista Paranaense de Desenvolvimento, Curitiba, (102), 103113.

Fraser, N. (2001). Da redistribuição ao reconhecimento? Dilemas da justiça numa era “pós-socialista”. Cadernos de Campo (São Paulo 1991), 15(14-15), 231-239.

Gadotti, M. (2008). Educar para a sustentabilidade: uma contribuição à década da educação para o desenvolvimento sustentável.

Gadotti, M. (2009). Pedagogia da terra e cultura de sustentabilidade. Revista Lusófona de Educação, (6), 15-29.

Haguette, T. M. F. (2001). Metodologias qualitativas na sociologia. In Metodologias qualitativas na sociologia (pp. 223-p).

Ireland, T. D. (2016). Reflexões sobre a CONFINTEA e as agendas globais para educação e desenvolvimento pós-2015. CONFINTEA Brasil+ 6, 76.

JARA, O. (2016). Buen vivir y educación. Revista Internacional sobre Investigación en Educación Global y para el Desarrollo, n. 10, p. 7-14.

Le Goff, J. (1924). História e memória.

Lakatos, E. M., & Marconi, M. D. A. (2017). Técnicas de pesquisa. São Paulo: Atlas, 205, 88.

Mundo, T. N. (2016). a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. Recuperado em, 15, 24.

SCANTIMBURGO, A. L. (2011). Políticas públicas e desenvolvimento sustentável: os limites impostos pelo capitalismo no gerenciamento e preservação dos recursos hídricos no Brasil. Revista Aurora, 4(1).

TOSI, G. (2014). O que são e quando surgem os direitos humanos: aproximações conceituais. In: ANDRADE, F. C. B. de; RECHEMBACH, F. (orgs.). Educação em Direitos Humanos: construindo políticas públicas. 1 ed. Curitiba: CRV, 2014, v. 1, p. 21-45.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Natália de Oliveira Melo

ISSN: 2675-3065

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn