Importância da preservação das sementes crioulas de Milho (Zea mays L.) e a importância atrelada aos atributos de qualidade de sementes.

Marcelo Augusto Rocha Limão, Kilson Pinheiro Lopes, Hugo Vieira, Maria Verônica Lins, Adriana da Silva Santos

Resumo


O milho é considerado um dos cereais mais produzidos e consumidos em todo o mundo, em função da sua utilização na alimentação humana e animal, e pelo elevado potencial produtivo e valor nutritivo dos grãos. O Brasil se destaca como um dos maiores produtores mundiais, principalmente por apresentar condições favoráveis que permitem seja cultivado em quase todo o território agrícola. Muitos agricultores familiares fazem o uso de variedades crioulas de milho como forma de conservação dos materiais genéticos contidos na semente, como também devido ao apreço sentimental, qualidade de vida, valores econômicos, artesanais e proteção ao ecossistema, rusticidade e adaptabilidade. As sementes crioulas são aquelas que não sofreram modificações genéticas por técnicas de melhoramento genético, seu manejo é totalmente desenvolvimento por comunidades tradicionais. Pequenos agricultores familiares fazem o uso de variedades crioulas de milho como forma de conservação dos materiais genéticos contidos na semente, que torna uma estratégia importantíssima para a preservação do ecossistema. Com isso, foram desenvolvidos os Bancos de Sementes Comunitários (BSC), com objetivo principal proporcionar uma garantia pro produtor. Portanto, para o sucesso do estabelecimento da cultura no campo, é necessário conhecer e preservar os atributos da sementes, sendo físicos, fisiológicos, genéticos e sanitários. Contudo, podemos concluir o quão é importante conservar as sementes crioulas, tanto para os ecossistemas, os produtores, guardiões como também para a economia local e qualidade de vida. Pode-se afirmar também que os atributos de qualidade de sementes são ótimos indicadores para mensurar o desempenho da sementes, assegurando assim uma ótima produtividade.


Palavras-chave


agrobiodiversidade, Zea mays, nativa, ecologia

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Abramovay, R. (2010). Alimentos versus população: está ressurgindo o fantasma malthusiano. Ciência e Cultura. 62 (4), 38-43.

Abrasem – Associação Brasileira De Sementes E Mudas(2014). Anuário 2014. Londrina, PR, Brasil. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2019.

Araujo, A. V.; Junior, D. S. B.; Ferreira, I. C. P.; Costa, C. A.; Porto, B. B. A. (2013). Desempenho agronômico de variedades crioulas e híbridos de milho cultivados em diferentes sistemas de manejo. Revista Ciência Agronômica. 44, (4), 885-996.

Barbieri, A. P. P.; Menezes, N. L.; Conceição, G.M.; Tunes, L. M. (2012). Teste de lixiviação de potássio para a avaliação do vigor de sementes de arroz. Revista Brasileira de Sementes. 34 (1), 117-124.

Barbosa, V. L.; Vidotto, R. C.; Arruda, T. P. (2015, outubro). Erosão Genética e Segurança Akimentar. Anais do Simpósio Internacional de Ciências Integradas, Guarujá, BR, 03.

Barrocas, E. N.; Machado, J.C. (2010, maio). Introdução a patologia de sementes e testes convencionais de sanidade de sementes para a detecção de fungos fitopatogênicos. Informativo ABRANTES. 20 (3), 48.

Bertuzzi, E. C. (2015). Emergência de milho em função do tratamento das sementes com inseticidas, fungicida e bioestimulante. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS, Brasil.

Bevilaqua, G. A. P., Antunes, I. F., Barbier, R. L., Schwengber, J. E., Silva, S. D. A. e., Leite, D. L., Cardoso, J. H.(2014). Agricultores guardiões de sementes e ampliação da agrobiodiversidade. Cadernos de Ciência & Tecnologia. 31 (1),.99-118.

Bianchetto, R., Fontanive, D. E., Cezimbra, J. C. G., Krynski, Â. M., Ramires, M. F., Antoniolli, Z. I., Souza, E. L.. (2017). Desempenho Agronômico De Milho Crioulo Em Diferentes Níveis De Adubação No Sul Do Brasil. Revista Eletrônica Científica da Uergs. 3 (3), 528-545.

Brasil, Ministério da Agricultura. Secretaria Nacional de Defesa Agropecuária (2009). Regras para Análise de sementes. Brasília: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, 395p. 2009.

Carpentiere-Pípolo, V.; Souza, A.; Silva, D. A.; Barreto, T. P.; Garbuglio, D. D.; Ferreira, J. M. (2010) Avaliação de cultivares de milho crioulo em sistema de baixo nível tecnológico. Acta Scientiarum. Agronomy. 32 (2), 229-233.

Carvalho, N.M. & Nakagawa, J. (2000). Sementes: ciência, tecnologia e produção (4.ed.) Jaboticabal, SP, 588.

Carvalho, N.M.; Nakagawa, J. (2012). Sementes: Ciência, Tecnologia e Produção (5ª ed.). Jaboticabal, SP, 590.

Catão, H. C. R. M., Magalhãses, H. M., Sales, N. L. P. de., Junior Brandão, D. S. da., Rocha, F. S. da (2013). Incidência e viabilidade de sementes crioulas de milho naturalmente infestadas com fungos em pré e pós-armazenamento. Ciência Rural. 43 (5),764-770.

Catão, H. C. R. M.; Costa, F. M.; Valadares, S. V.; Dourado, E. R.; Júnior, D. S. B.; Sales, N. L. P. (2010). Qualidade física, fisiológica e sanitária de sementes de milho crioula produzidas no norte de Minas Gerais. Revista Ciência Rural. 40 (10), 2060-2066.

Conab - Companhia Nacional de Abastecimento (2019). 12º Levantamento Grãos Safra 2018/2019 - SET /13. Acesso: 11, jan, 2019 http://www.conab.gov.br/ OlalaCMS/uploads/arquivos/13_10_16_14_32_01_boletim_ portugues_ _outubro_2019.pdf.

Costa, D. S. da; Bonassa, N., Novembre, A. D. L. C. da. (2013).. Incidence of storage fungi and hydropriming on soybean seeds. Journal Of Seed Science. 3 (1), 35-41.

Dias, M. A. N.; Mondo, V. H. V.; Cicero, S. M. Cicero. (2010). Vigor de sementes de milho associado á mato-competição. Revista Brasileira de Sementes. 32 (2), 093-101.

Eicholz, E. D. et al. (2014, julho). Avaliação Agronômica De Variedades De Milho No Sul do RS. Anais da 58 Reunião técnica anual do milho e da 41 reunião técnica anual do sorgo. Pelotas, RS, Brasil, 97.

Feitosa, B. Ê. S. de; Corrêa, M. L. P.; Félix, J. P. S. da; Silva, P. B. (2018, Setembro) Sanidade e germinação de sementes de variedades crioulas de milho armazenadas por agricultores familiares no município de Belterra-Pará. Cadernos de Agroecologia Anais do VI CLAA, X CBA e V SEMDF. Brasilia, DF, Brasil.

França, C.; Garcia, L. (2014). Sementes Livres- Ações pela Soberania da Natureza. Revista Espaço de Diálogo e Desconexão. 8 (2), 1-9.

Franco, C. D.; Corlett, F. M. F.; Schiavon, G. A. (2013). Percepção de agricultores familiares sobre as dificuldades na produção e conservação de sementes crioulas. Cadernos de Agroecologia. 8 (2), 17-28.

Gazola, D., Zucareli, C., Camargo, M. C. (2014). Comportamento germinativo de sementes de cultivares de milho sob condições de hipóxia. Científica. 42 (3), 224–232.

Londres, F. (2014). As sementes da paixão e as políticas de distribuição de sementes na Paraíba. (1a ed.). Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 83.

Macedo, R. C. (2010). Relatório de Avaliação das Ações de Criação, Incentivo e Fortalecimento de Bancos de Sementes Comunitários ou Municipais na Paraíba. Relatório de Consultoria. João Pessoa, PB, Brasil, 24.

Machado, J. C. (1998) Tratamento de sementes: fundamentos e aplicações (1a ed.) Brasília, DF, Brasil, 106.

Marcos Filho, J. (2015). Fisiologia de Sementes de Plantas Cultivadas (2a ed.). Londrina, PR, Brasil, 659.

Marcos Filho, J.(2005). Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. (1a ed.). Piracicaba, SP, Brasil. 495.

Maximiano, C. V. (2017). Pré-condicionamento de sementes de milho em água com diferentes concentrações de ozônio no desenvolvimento inicial de plântulas e no controle de fusarium spp. Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

Nerling. M. R.; (2013). Conservação e Multiplicação de Sementes Crioulas e Varietais pelos camponeses do Movimento dos Pequenos Agricultores de SC. Revista Cadernos de Agroecologia. 8 (2), 10-18.

Palácio Filho, A. M.; Araújo, D. V.; Campos, G. P. A.; Borges, J. M.; Andrade, L. P. (2011). Oficinas sobre uso de sementes crioulas – Incentivo para produção Agroecológica na região do Agreste Meridional de Pernambuco. Revista Cadernos de Agroecologia. 6 (2), 03.

Pereira Filho, I. A.. Borghi, E. (2016, novembro). Mercado de Sementes de Milho no Brasil Safra 2016/2017. Documentos 202, 33..

Peske, S. (2013). Tratamento de Sementes: Ênfase em Inseticida. SEED News. Pelotas, RS, Brasil. 5, 22.

Peske, S. T.; Barros, A. C. S. A. (2012). Produção de sementes. In: Peske, S. T.; Villella, F. A.; Meneghello, G. E. Sementes: fundamentos científicos e tecnológicos (3a ed.), Pelotas, RS, Brasil, 573.

Petersen, P. (2013). As sementes das espécies cultivadas são portadoras de mensagens genéticas e de mensagens culturais. Revista Agricultura. 10 (1), 36-45.

Pinheiro, A. P. F. (2016). Efeito do tratamento de sementes com ozônio na cultura do milho. Monografia, Universidade de Brasília, DF, Brasil, 43.

Reis, M. I. C. C. dos. (2015). Avaliação Da Qualidade Fisiológica Em Sementes De Milho Tratadas Com Ozônio. Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília, DF, Brasil, 56.

Ribeiro W. M. (2017). Sementes crioulas: Autonomia, identidade e diversidade de grupos camponeses em Orizona e Vianópolis. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 107.

Sabato, E. de O; Pinto, N. F. J. de A; Fernandes, F. T. (2013). Identificação e controle de doenças na cultura do milho (2a ed.). Brasília, DF, Brasil, 198.

Silva, M. J. R. da., Marini, F. S., Paula, A. C. de., Coelho, A. A., Santos, A. da S. dos. (2017). Agricultores familiares e cientistas: diálogo de saberes sobre as variedades crioulas de milho no estado da Paraíba. Ciência e Cultura: Agroecologia. 69 (2), 1-5.

Silva, R. P., Silva, B. M. S., Barrozo, L. M., Salum, J. D., Rosa, M. S., Gomes, D. P. (2013). Perdas qualitativas na colheita mecanizada de sementes de soja. Semina. 34 (2),.477-484.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Marcelo Augusto Rocha Limão, Kilson Pinheiro Lopes, Hugo Vieira, Maria Verônica Lins, Adriana da Silva Santos

ISSN: 2675-3065

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn