Sustentabilidade Ambiental: o olhar perceptivo dos servidores do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Sergipe (IFS)

José Sérgio Filgueiras Costa, Inajá Francisco de Sousa

Resumo


Estudar a temática da percepção ambiental e as práticas de sustentabilidade ambiental é essencial para fundamentar e propor ações que visem sensibilizar a sociedade acerca da importância da correta utilização dos recursos naturais e da conservação do meio ambiente. A percepção de cada indivíduo está imbicada por questões como: cultura, escolaridade, comunicação, questões socioeconômicas. Esta pesquisa teve como propósito fazer um diagnóstico da percepção dos servidores do IFS – técnicos administrativos em educação (TAEs) e professores – acerca das questões de sustentabilidade ambiental. Conhecer o perfil dessa comunidade no que tange à sua conexão com o meio ambiente é fundamental para direcionar ações de educação e conscientização a respeito da sustentabilidade ambiental. Este estudo está alicerçado com pesquisa bibliográfica acerca das temáticas: “educação ambiental”, “sustentabilidade ambiental”, “percepção ambiental” e “comunicação organizacional”. A pesquisa foi de caráter descritivo e exploratório, com abordagem predominantemente qualitativa. A coleta dos dados foi feita por meio de questionário semiestruturado aplicado aos servidores através de formulário on-line elaborado na plataforma Google. A análise de dados foi feita com uso da metodologia de Bardin, que trabalha a análise de conteúdo. A investigação apontou para uma percepção ambiental negativa do público pesquisado no que se refere aos contextos global, nacional, regional e institucional. Isso evidencia a necessidade de incrementar as ações interdisciplinares de educação ambiental

Palavras-chave


Sustentabilidade ambiental. Percepção. Educação ambiental. Comunicação organizacional.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Barbetta, P. A. (2008). Estatística aplicada às ciências sociais. Florianópolis: Editora UFSC.

Bardin, L. (2016). Análise de Conteúdo. Tradução Luís Antero Reto, Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70.

Barros. D. M. L., & Matos, N. S. (2015). A Importância da Comunicação Organizacional Interna e dos Feedbacks Gerenciais. Revista de Administração. 13(23). 3-20. Disponível em: http://revistas.fw.uri.br/index.php/revistadeadm/article/view/1553. Acesso: 30 nov. 2019.

Beltrame, T., Beltrame, A., Lhamby, A., & Pires, V. (2016). Efluentes, resíduos sólidos e educação ambiental: Uma discussão sobre o tema. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, 20(1), 283-294. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reget/article/view/15827/pdf. Acesso em: 28 out. 2020.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. (1988). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 25 nov. 2019.

BRASIL. Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm. Acesso em: 27 nov. 2019.

Carvalho, G. (2019). Sustentabilidade e Desenvolvimento Sustentável: Uma Visão Contemporânea. Revista Gestão e Sustentabilidade Ambiental. 8(1), 779-792, Disponível em: http://dx.doi.org/10.19177/rgsa .v8e12019789-79. Acesso em: 27 nov. 2019.

Chauí, M. (2000). Convite à Filosofia. São Paulo: Ed. Ática. 567 p.

Creswell, J. W. (2007) Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed.

Curvello, J. J. A. (2012). Comunicação interna e cultura organizacional. (2a ed. rev. e atual.) Brasília: Casa das Musas, 162 p.

Guimarães, M. (2007). A dimensão ambiental da educação. (8a ed.) Campinas: Papirus.

IFS. Instituto Federal de Sergipe. (2019). Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI). Disponível em: http://www.ifs.edu.br/images/prodin/2019/CS_31_-_Aprova_o_Plano _de_Desenvolvimento_Institucional_-_PDI_2020-2024.pdf. Acesso: 12 fev. 2020.

Jorge, A. M. G. (2011). Introdução à percepção: entre os sentidos e o conhecimento. São Paulo: Paulus. 125.

Kuhnen, A. (2009). Meio ambiente e vulnerabilidade: a percepção ambiental de risco e o comportamento humano. Geografia. 18(2). Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/geografia/article/view /3287/3233. Acesso em: 13 nov. 2019.

Lima, M. V., Loose, E. B., Schneider, T. C., Nogarolli, A. F., & Lambach, H. F. (2014). Os dilemas da Comunicação Ambiental no contexto do desenvolvimento hegemônico. Comunicação, Mídia e Consumo (Online), 11(32), 203-221, Disponível em: http://revistacmc.espm.br/index.php/revistacmc/article/view/ 703/pdf_32 . Acesso em: 30 nov. 2019.

Loureiro, C. F. B. (2009). Trajetória e fundamentos da educação ambiental. (3a ed.) São Paulo: Cortez.

Malafaia, G., & Rodrigues, A. S. L. (2009). Percepção ambiental de jovens e adultos de uma escola municipal de ensino fundamental. Revista Brasileira de Biociências, 7(3), 266-274. Disponível em: http://www.ufrgs.br/seerbio/ojs/index.php/rbb/article/view/1178. Acesso em: 27 nov. 2019.

Marin, A. A. (2008). Pesquisa em educação ambiental e percepção ambiental. Rev. Pesquisa em Educação Ambiental, 3(1), 203-222. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/pea/article/view/30047. Acesso em: 6 set. 2019.

Mikhailova, I. (2011). Sustentabilidade: evolução dos conceitos teóricos e os problemas de mensuração prática. Economia e Desenvolvimento, 0(16). Disponível em: https://doi.org/10.5902/red.v0i16.3442. Acesso em: 29 nov. 2019.

ONU. Organização das Nações Unidas. (2015). Transformando Nosso Mundo: A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. Traduzido pelo Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio). Disponível em: https://nacoesunidas.org/wp-content/uploads/2015/10/agenda2030-pt-br.pdf. Acesso em: 08 jul. 2019.

Penna, A. G. (1982). Percepção e realidade: introdução ao estudo da atividade perceptiva. (3a ed.) São Paulo: Mercurio Star.

Rodrigues, A. de J. (2006). Metodologia Científica. São Paulo: Avercamp.

Rodriguez, J. M. M. (2016). Educação Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: Problemática, Tendências e Desafios. (4a ed.) Reimpressão/José Manuel Mateo Rodriguez e Edson Vicente da Silva. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora.

Sartori, S., Latrônico, F., & Campos, L.M.S. (2014). Sustentabilidade e desenvolvimento sustentável: uma taxonomia no campo da literatura. Ambiente & Sociedade. 17(1), 01-22. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-753X2014000100002. Acesso em: 14 jul. 2019.

Severo, E. A., & Guimarães, J. C. F. (2014). Desenvolvimento Sustentável: Premissas, Realidade e Novas Perspectivas. Anais do XVI Encontro Internacional Sobre Gestão Empresarial e Meio Ambiente. São Paulo, SP, 13. Disponível em: http://www.engema.org.br/ XVIENGEMA/15.pdf. Acesso em: 15 set. 2020.

Shigunov Neto, A. S., Campos, L. M. S., & Shigunov, T. (2009). Fundamentos da Gestão Ambiental. Rio de Janeiro: Editora Ciência Moderna.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 José Sérgio Filgueiras Costa, Inajá Francisco de Sousa

ISSN: 2675-3065

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn