Inovação na Rede de Sementes do Xingu: proposta para o aprimoramento da eficiência na cadeia de suprimentos

VALERIA SANTOS GUIMARAES, Fernando Hadad Zaidan, José Luis Braga

Resumo


Objetivou-se conhecer e entender, a partir de uma revisão sistemática de literatura associada à ferramenta State of the Art through Systematic Review (StArt), quais inovações têm gerado aumento de eficiência em cadeias de suprimentos do agronegócio.  O referencial produzido por este artigo proporcionará à Rede de Sementes do Xingu e às novas redes de suprimento uma documentação capaz de agregar inovações às cadeias de suprimentos e, assim, ampliar o potencial de distribuição de sementes nativas. A metodologia utilizada é do tipo qualitativa, exploratória e bibliográfica. Por fim, os dados da presente revisão indicam que poucos estudos foram elaborados sobre o tema nos últimos cinco anos, tendo sido identificados inicialmente 27 trabalhos e, após extração dos dados, foram obtidos 5 artigos que apresentaram inovações em cadeias de suprimentos relacionadas ao agronegócio, entretanto, nenhum específico para rede de sementes nativas.

Palavras-chave


Inovação, Cadeia de Suprimento de Sementes, Rede de Sementes do Xingu, Revisão Sistemática de Literatura

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


AFC – Agriculture and Food Council. (2004). Agri-food value chains: a practical guide to building customer-focused alliances. Alberta: Value Chain Initiative.

Arshinder, A. K., & Dekhmukh, S. G. (2008). Supply chain coordination: perspectives, empirical studies and research directions. International Journal of Production Economics, 115, 316-335.

Barnett, J. P., & Baker, J. B. (1991). Regeneration methods. In M. L. Duryea & P. M. Dougherty (Eds.). Forest regeneration manual. (pp. 35-55). Dordrecht: Kluver Academic Publishers.

Brasil. (2017). Planaveg: Plano Nacional de Recuperação da Vegetação Nativa. Brasília: Ministério do Meio Ambiente.

Brown, C. R. (2003). Economic theories of the entrepreneur: a systematic review of the literature. Cranfield: School of Management.

Chopra, S., & Meindl, P. (2013). Supply chain management strategy, planning, and operation (5th ed.). England: Pearson Education Limited.

Easterby-Smith, M., Thorpe, R., & Lowe, A. (1999). Management research: an introduction. London: Sage.

Ferreira, J. L. Neto. (2015). Pesquisa e metodologia em Michel Foucault. Psic.: Teor. e Pesq. 31(3), 411-420.

Freire, J. M., Urzedo. D. I., Rodrigues, F. C. M. (2017). A realidade da semente nativa no Brasil: desafios e oportunidades para a produção de larga escala. Seed News, 21(5), 24-28.

Gil, A. C. (2017). Como elaborar projetos de pesquisa (6a ed.). São Paulo: Atlas.

Heikkilä, J. (2002). From supply to demand chain management: efficiency and customer satisfaction. Journal of Operations Management, 20(6), 747-767.

Junqueira, R. G. P. (2018). Iniciativas de apoio e fomento à implantação do PRA no Brasil: Redes Comunitárias de Sementes. [Slides do PowerPoint]. Recuperado de: http://www.florestal.gov.br/documentos/acesso-informacao/institucional/area-de-imprensa/eventos/ii-encontro-nacional-tematico-do-sicar-dialogos-para-a-implementacao-dos-programas-de-regularizacao-ambiental-pra-no-brasil/3961-ii-encontro-pra-rede-de-sementes-xingu-isa-rodrigo-junqueira/file. Acesso em: 25/07/2020.

Kintish, E. (2007). Carbon emissions: improved monitoring of rainforests helps pierce haze of deforestation. Science, 316(5824), 536-537.

Kitchenham, B., & Brereton, P. (2013). A systematic review of systematic review process research in software engineering. Information and Software Technology, 55, 2049-2075.

Lowe, T. J., & Preckel, P. V. (2004). Decision technologies for agribusiness problems: a brief review of selected literature and a call for research. Manufacturing and Service Operations Management, 6(3), 201-208.

Matopoulos, A., Vlachopoulou, M., Manthou, V., & Manos, B. (2007). A conceptual framework for supply chain collaboration: empirical evidence from the agri-food industry. Supply Chain Management: an International Journal, 12(3), 177-186.

Mattei, V. L. Agentes limitantes a implantação de Pinus taeda L. por semeadura direta. (1995). Ciência Florestal, 5(1), 9-18.

Muehlethaler, U., & Kamm, U. (2009). Innovative direct seeding method in the forest. Agrarforschung, 16(10), 384-389.

OECD – Organisation for Economic Co-operation and Development. (2018). Oslo manual 2018: guidelines for collecting, reporting and using data on innovation (4th ed.). Paris/Eurostat, Luxembourg: OECD Publishing.

Pandey, M., & Tewari, D. (2010). The agribusiness book: a marketing & value-chain perspective (analyzing South Asia). International BOOK Distributing Co., Publishing Division IBDC.

Ruan, J. et al. (2019). A life cycle framework of green IoT-based agriculture and its finance, operation, and management issues. IEEE Communications Magazine, 57(3), 90-96.

Sanches, R. A. (2015). Campanha ‘Y Ikatu Xingu: governança ambiental da região das nascentes do Xingu (Mato Grosso, Brasil). Tese de doutorado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

Santana, V. M., & Sellitto, M. A. (2020). O processo de encurtamento de uma cadeia produtiva de arroz: motivadores e implicações. Revista Produção Online, 20(1), 95-118.

Santos, A. B. A., Fazion, C., & Meroe, G. P. S. (2011). Inovação: um estudo sobre a evolução do conceito de Schumpeter. Revista PUC-SP, 5(1).

Santos, C. E., & Machado, M. C. (2019). Governança e gestão da qualidade em uma rede de suprimentos no estado de Mato Grosso. Exacta, 17(1), 157-170.

Santos, N. A., Jr., Botelho, S. A., & Davide, A. C. (2004). Estudo da germinação e sobrevivência de espécies arbóreas em sistema de semeadura direta, visando à recomposição de mata ciliar. Cerne, 10(1), 103-117.

Saunders, M., Lewis, P., & Thornhill, A. (2012). Research methods for business students. Harlow: Pearson Education Ltd.

Savić, B., Vasiljević, Z., & Popović, N. (2016). The role and importance of strategic budgeting for competitiveness of the agribusiness supply chain. Ekonomika poljoprivrede, 63, 295-312.

Ticktin, T. (2004). The ecological implications of harvesting, non-timber forest products. The journal of Applied Ecology, 41, 11-21.

Ticktin, T., & Shackleton, C. (2011). Harvesting non-timber forest products sustainably: opportunities and challenges. In S. Shackleton, C. Shackleton, P. Shanley. (Ed). Non-timber forest products in the global context (pp. 149-169). Heidleberg: Springer.

Timsina, K., Bastakoti, R., & Shivakoti, G. (2016). Achieving strategic fit in onion seed supply chain. Journal of Agribusiness in Developing and Emerging Economies, 6, 127-149.

Uhl, C., Da Silva, J. M. C., Nepstad, D. C., & Vieira, I. C. G. (1991). Restauração da floresta em pastagens degradadas. Ciência Hoje, 13(76), 23-31.

Urzedo, D. I. de. (2014). Trilhando recomeços: a socioeconomia da produção de sementes florestais do Alto Xingu na Amazônia brasileira. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, Piracicaba, SP, Brasil.

Urzedo, D. I. de. (2017). Organização comunitária para as sementes florestais no Xingu-Araguaia. Informativo ABRATES, Londrina, 27(2), 37. Disponível em: http://www.cbsementes.com.br/files/INFORMATIVO%20-%20Anais%20XXCBSementes.pdf. Acesso em: 6/9/2019.

Urzedo, D. I. de., Reis, A. L. dos., Souza, B. D. F. de., & Araújo, C. A. de. (2016). Guia de gestão da rede de sementes do Xingu. s/l: Rede de Sementes do Xingu.

Willoughby, I., Jinks, R., Gosling, P., & Kerr, G. (2004). Creating new broadleaved woodland by direct seeding. Edinburgh: Forestry Comission.

WWF – World Wildlife Fund. (2018). Maior aumento de desmatamento da Amazônia em dez anos. [S.l.], novembro. Disponível em: https://www.wwf.org.br/?68662/maior-aumento-desmatamento-amazonia-dez-anos. Acesso em: 12/02/2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 VALERIA SANTOS GUIMARAES, Fernando Hadad Zaidan, José Luis Braga

ISSN: 2675-3065

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn