A contribuição dos estudos de fluxos térmicos como ferramenta para prevenção da poluição atmosférica na circunvizinhança de plantas com armazenamento de combustíveis líquidos

Wilson Pimenta da Silva D'Ávila

Resumo


Em plantas com armazenamento de combustíveis líquidos, a prevenção da poluição atmosférica precisa considerar a possibilidade de ocorrência de incêndios, pois estes fenômenos podem produzir alterações térmicas e químicas na circunvizinhança. Vazamentos seguidos incêndio em poça podem levar à emissão de fluxos térmicos capazes de produzir danos sobre pessoas e estruturas, em especial quando ultrapassam 12,5 kW m-². Além disso, um incêndio em poça pode emitir gases prejudiciais à saúde das pessoas. Assim, esta pesquisa analisou um cenário hipotético de vazamento de gasolina e diesel, seguido de incêndio em poça, em um posto revendedor de combustíveis, com os seguintes objetivos: estimar os fluxos térmicos e verificar se estes fluxos seriam capazes de ultrapassar os limites do empreendimento; apontar os principais aspectos em que os estudos de fluxos térmicos contribuem para a prevenção da poluição atmosférica. Os fluxos térmicos foram estimados através do modelo Mudan e os resultados indicaram que, nas condições analisadas, um incêndio em poça seria capaz de gerar fluxos térmicos superiores a 12,5 kW m-² para os dois combustíveis e estes fluxos ultrapassariam os limites do empreendimento; os gases emitidos, face às características da circunvizinhança e das condições atmosféricas, poderiam incidir sobre pessoas. Assim, foi verificado que os estudos de fluxos térmicos são importantes ferramentas para prevenção da poluição atmosférica, pois contribuem para a prevenção de incêndios e, consequentemente, contribuem para evitar alterações térmicas e químicas capazes de ameaçar a saúde e a segurança da população circunvizinha.

 

Palavras-Chaves: Impacto ambiental, Incêndios, Modelagem ambiental, Dispersão de poluentes, Contaminantes


Palavras-chave


impacto ambiental; incêndios; modelagem ambiental; dispersão de poluentes; contaminantes.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Agência Nacional de Aviação Civil. (2020). International Standard Atmosphere. Disponível em: . Acesso em 30/08/2020.

Alvarenga, M.I.N. & Almeida, M.R.R. (2014). Avaliação de impactos ambientais. Sustentabilidade e engenharia In: Horta Nogueira, L. A. & Capaz, R. S. Ciências ambientais para engenharia. Rio de Janeiro: Elsevier.193-220.

Barboza, D.V., Teixeira, M. A. & Lima, G.B.A. (2017). Análise de riscos de um posto de combustível em Itaipuaçu utilizando a técnica HazOp. Revista Gestão Industrial, v. 13(2), 126-145.

Boçón, F. T. (2018). Propriedades da água saturada (líquido e vapor), entrada de temperaturas. Disponível em: . Acesso em: 12/03/2020.

Braga, B., Hespanhol, I., Conejo, J.G.L., Mierzwa, J.C.,Barros, M.T.L., Spencer, M., Porto, M., Nucci, N., Juliano, N. & Eiger, S. (2005). Introdução à engenharia ambiental: o desafio do desenvolvimento sustentável. (2a ed.). São Paulo: Pearson.

Brasil. Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, que dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Diário Oficial da União, 02 de set. Disponível em: . Acessado em fevereiro/2020. 1981.

Center for Chemical Process Safety. (2003). Guidelines for Fire Protection in Chemical, Petrochemical, and Hydrocarbon Processing Facilities. New York, New York, United States.

Companhia Ambiental do Estado de São Paulo. (2011). Risco de Acidente de Origem Tecnológica – Método para decisão e termos de referência. Disponível em: . Acesso em 10/01/2020.

Conselho Nacional do Meio Ambiente (Brasil). Resolução Nº 001 de 17/02/1986, que estabelece as definições, responsabilidades, critérios básicos e as diretrizes gerais para uso e implementação da Avaliação de Impacto Ambiental como um dos instrumentos da Política Nacional do Meio Ambiente. Brasília, 1986. Disponível em: . Acessado em: janeiro/2020. 1986.

D’Ávila, W.P.S. & Campos, T.A.O. (2020). Sistemas integrados de gestão ambiental, segurança e saúde ocupacional: uma diretriz para implantação das brigadas de incêndio em plantas industriais. Revista Gestão Industrial, 16(1), 145-163.

Derisio, J.C. (2012). Introdução ao controle de poluição ambiental. (4a ed.). São Paulo. Oficina de Textos.

Duarte, D., Silva, J. J. R., Pires, T. A.C., Oliveira, M. M. (2008). Gerenciamento dos riscos de incêndio. In: Seito, A. I. et al. (Coord.). A Segurança Contra Incêndio no Brasil. São Paulo: Projeto Editora. 379-409.

Escola Nacional de Inspeção do Trabalho. (2019). Campanha Nacional de Prevenção de Acidentes de Trabalho – CANPAT. Disponível em: . Acesso em 15/10/2020.

Gann, R.G. & N.P. Bryner. (2008). Combustion Products and Their Effects on Life Safety. Disponível em: . Acesso em 19/01/2021.

Guimarães, C.S. (2016). Controle e monitoramento de poluentes atmosféricos. (1a ed.). Rio de Janeio: Elsevier.

Google Earth®. (2020). Imagem aérea de um empreendimento. Disponível em: . Acesso em 15/12/2020.

Horta Nogueira, L. A. & Capaz, R. S. (2014). Sustentabilidade e engenharia In: ______. Ciências ambientais para engenharia. Rio de Janeiro: Elsevier. 1-13.

Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. (2008). Relatório da qualidade do ar na Região da Grande Vitória 2007. Disponível em: . Acesso em 19/01/2021.

Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. (2020). Relatório da qualidade do ar na Grande Vitória 2007. Disponível em: . Acesso em 19/01/2021.

Instituto Nacional de Meteorologia. (2020). Série histórica da estação meterológica de Vila Velha (ES) no período de 01/10/2019 a 30/09/2020. Disponível em: . Acesso em 10/10/2020.

Labovská, Z. & Labovský, J. (2016). Estimation of thermal effects on receptor from pool fires. Acta Chimica Slovaca. 9(2), 169-179.

Marcatti, J., Berquó Filho, J. E. & Coelho Filho H. S. (2008). Compartimentação e afastamento entre edificações. In: Seito, A.I. et al. (Coord.). A Segurança Contra Incêndio no Brasil. São Paulo: Projeto Editora. 169-179.

McGrattan, K.B., Baum, H.R. & Hamins A. (2000). Thermal Radiation from Large Pool Fires. Disponível em: . Acesso em 15/08/2020.

ZHANG, M., SONG, W., WANG, J. & CHEN, Z. (2014). Accident consequence simulation analysis of pool fire in fire dike. Procedia Engineering, 84, 565-577.

Mitidieri, M.L. (2008). O comportamento dos materiais e componentes construtivos diante do fogo - reação ao fogo. In: Seito, A.I. et al. (Coord.). A Segurança Contra Incêndio no Brasil. São Paulo: Projeto Editora. 55-75.

Mora-Carmino, F., Chaves, L.A.O., Correia, M.F.Z. & Cruz, L.G.Z. (2018). Análise de risco na inserção do planejamento urbano para instalação de empreendimentos de risco: aplicação no terminal de combustíveis. Brazilian Journal of Development, 4(5), 2551-2577.

Mudan, K.S. Thermal radiation hazards from hydrocarbon pool fires. (1984). Progress in Energy and Combustion Science, 10(1), 59-80.

Muñoz, M., Planas, E., Ferrero, F. & Casal, J. (2007). Predicting the emissive power of hydrocarbon pool fires. Journal of Hazardous Materials, 144, 725–729.

National Fire Protection Association. (2002). Handbook of Fire Protection Engineering. Quincy, Massachusetts, United States.

Petrobras. (2020). Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ - Gasolina. Disponível em: . Acesso em 15/11/2020.

Ruzzarin, N. (2011). Determinação dos efeitos térmicos causados por um incêndio em um tanque de armazenamento de líquido inflamável de grandes proporções e suas relações com o plano de atendimento de emergência (PAE). Monografia de Especialização, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

Santos, F.S. & Landesmann, A. (2013). Aplicação de modelo numérico para análise de estruturas de tanques de armazenamento de combustíveis em concreto armado expostas a incêndio. XXXIV Iberian Latin-American Congress on Computational Methods in Engineering, Pirenópolis, GO, Brazil, 2013, 19.

Seito, A.I. (2008). Fundamentos de fogo e incêndio. In: Seito, A.I. et al. (Coord.). A Segurança Contra Incêndio no Brasil. São Paulo: Projeto Editora. 35-54.

Silva, G. D. M. (2018). Análise de riscos em postos de combustíveis: estudo de caso. Monografia de Especialização, Universidade do Sul de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Teves, M.L.U. (2003). Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico - Combustível Diesel. Disponível em: . Acesso em 15/10/2020.

The Netherlands Organization of Applied Scientific Research. (2005). Methods for the calculation of physical effects – due to releases of hazardous materials (liquids and gases) – Yellow Book. (2a ed). Den Haag, Nederland.

U.S. Nuclear Regulatory Commission. (2004). Fire Dynamics Tools (FDTs): Analysis Methods for the U.S. Nuclear Regulatory Commission Fire Protection Inspection Program. Washington, DC, United States.

Vaz Júnior, C. A. 2015. Modelagem de incêndio em poça. Disponível em: . Acesso em: 10/03/2020.

Zárate, L., Arnaldos, J., Casal, J. (2008). Establishing safety distances for wildland fires. Fire Safety Journal, 43, 565–575.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 WILSON PIMENTA DA SILVA D'ÁVILA

ISSN: 2675-3065

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn