Análise comparativa entre o Plano Plurianual Regional Participativo da região do Grande Abc 2014-2017 e a Agenda 2030

Beatriz Duarte Dunder, Gabriel Pires de Araújo

Resumo


Esse artigo tem como objetivo compreender as correspondências das ações do Plano Plurianual Regional Participativo do Grande ABC com os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável – Agenda 2030, tendo em vista verificar como as ações planejadas na escala da região podem vir a contribuir para a realização da agenda global da sustentabilidade, haja vista que os problemas socioambientais de municípios podem vir a se agravar por conta de suas relações na escala regional. Para o alcance deste objetivo, foi adotado o método de análise comparativa entre o Plano Plurianual e a Agenda 2030, onde se gerou uma matriz que demonstrou uma alta correspondência entre as ações locais e os objetivos globais, constatando-se assim que a região do Grande ABC Paulista está se direcionando para a concretização dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável por meio de políticas de escopo regional consideradas avançadas. Corrobora-se assim o papel fundamental das ações locais de regiões administrativas para a construção da sustentabilidade global no âmbito da gestão pública, que deve ser pautada em uma governança ambiental que estimule a participação da sociedade civil e considere as especificidades de cada localidade, inclusive no que se refere aos problemas de caráter socioambiental enfrentados.

 

Palavras-Chaves: Plano Plurianual, Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, Escala Regional, Consórcio Intermunicipal do Grande ABC, Problemas Socioambientais.

 

Comparative analysis between the Participative Regional Multiannual Plan of the Grande ABC Paulista and the Agenda 2030

 

A B S T R A C T

 

This article aims to understand the correspondence of the actions of the Participatory Regional Multiannual Plan of the Grande ABC with the Sustainable Development Goals - Agenda 2030, in order to verify how the actions planned in the region scale can contribute to the realization of the global agenda, given that the social and environmental problems of municipalities can be aggravated by their relationships at the regional scale. To achieve this objective, the method of comparative analysis between the Plan and Agenda 2030 was adopted, which generated a matrix that showed a high correspondence between local actions and global objectives, thus establishing that the Grande ABC Paulista is moving toward the achievement of the Sustainable Development Goals through advanced regional policies. This corroborates the fundamental role of local actions in administrative regions to build global sustainability in public management, which should be based on environmental governance that encourages the participation of civil society and considers the specificities of each locality, including the social and environmental problems faced.

 

Keywords: Multiannual Plan, Sustainable Development Goals, Regional Scale, Grande ABC Intermunicipal Consortium, Social and Environmental Problems.

 


Palavras-chave


Plano Plurianual; Objetivos do Desenvolvimento Sustentável; Escala Regional; Consórcio Intermunicipal do Grande ABC; Problemas Socioambientais

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Anau, R. V. (2002). As transformações econômicas no grande ABC de 1980 a 1999. Revista do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da FAUUSP, 11, p. 46-59.

Ancassuerd, M. P. (2009). Políticas públicas de educação de jovens e adultos no ABC Paulista: conquista de direitos e ampliação da esfera pública. (Tese Doutorado Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo). Disponível em: . Acessado em: Maio/2017.

Bardin, L. (2004). Análise de Conteúdo. Revista Educação (Vol. 22).

Belik, W.; Silva, J. G.; Takagi, M. (2001). Políticas de combate à fome no Brasil. São Paulo em Perspectiva, 15(4), 119-129.

Bresciani, L. P. (2015). O mapa do caminho: desafios, planejamento e atuação do Consórcio Intermunicipal Grande ABC. In: Leal, C. F. C.; Linhares, L. R. F.; Lemos, C. R.; Silva, M. M. & Lastres, H. M. M. (Org.), Um olhar territorial para o desenvolvimento: Sudeste (pp. 390-409). Rio de Janeiro: Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social.

Bursztyn, M.; Bursztyn, M. A. (2012). Fundamentos de política e gestão ambiental: os caminhos do desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Garamond.

Candiotto, L. Z. P.(2009). Considerações sobre o conceito de turismo sustentável. Formação, 1(16), 48-59.

Clementino, M. L. M.; Almeida, L. S. B.(2015) Construção técnico-política da governança metropolitana. Cad. Metrop. 17(33), 201-224.

Consórcio Intermunicipal Grande ABC (2017). Histórico. 2017. Disponível em: . Acessado em: Setembro/2017.

Consórcio Intermunicipal Grande ABC. (2016b). Juntos pelo Grande ABC: construindo o desenvolvimento regional. Disponível em: . Acessado em: Setembro/2017.

Consórcio Intermunicipal Grande ABC. (2016c). O consórcio Intermunicipal Grande ABC. Disponível em: . Acessado em: Setembro/2017.

Consórcio Intermunicipal Grande ABC. (2013). PPA Regional Participativo Grande ABC 2014 - 2017. Disponível em: . Acessado em: Agosto/2017.

Consórcio Intermunicipal Grande ABC. (2016a) Estrutura e Equipe do Consórcio Intermunicipal Grande ABC. Disponível em . Acessado em: Agosto/2017.

Coutinho, S. M. V. (2006). Análise de um processo de criação de indicadores de desenvolvimento sustentável no município de Ribeirão Pires - SP. (Dissertação Mestrado, Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo) Disponível em . Acessado em: Outubro/2017.

Daniel, C. (1996). Uma Estratégia Econômica para o Grande ABC. São Paulo em Perspectiva, 10(3), p. 138-144.

Deák, C. (2004). Prefácio - O processo de urbanização no Brasil: Falas e façanhas. In: Deák, C. & Schiffer, S. R. (Orgs.). O processo de urbanização no Brasil (pp 9-18). São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

Duran, D. C.; Artene, A.; Gogan, L. M. & Duran, V. (2015). The objectives of sustainable development - ways to achieve welfare. Procedia Economics and Finance, 26, 812-817.

Fernandes, V.; Sampaio, C. A. C. (2008). Problemática ambiental ou problemática socioambiental? A natureza da relação sociedade/meio ambiente. Desenvolvimento e Meio Ambiente, (18), 87-94.

Fonseca, I. F & Bursztyn, M. (2009). A banalização da sustentabilidade: reflexões sobre governança Ambiental em escala local. Sociedade e Estado, 24(1), 17-46.

Grindle, M. (2007). Good enough governance revisited. Development Policy Review, 25(5), 553-574.

Grindle, M. (2004). Good enough governance: poverty reduction and reform in developing countries. Governance. International Journal of Policy, Administration, and Institutions, 17(4), 525-548.

Grostein, M. D. (2001). Metrópole e expansão Urbana: A persistência de processos "insustentáveis". São Paulo em Perspectiva, 15(1), 13-19.

Jacobi,P. (2005). Governança institucional de problemas ambientais. Política e Sociedade, (7), 119-137.

Jatobá, S. U. S.; Cidade, L. C. F.; Vargas, M. G. (2009). Ecologismo, Ambientalismo e Ecologia Política: diferentes visões da sustentabilidade e do território. Sociedade e Estado, 24(1), 47-87.

Lacerda, A. D. (2011). Ação Coletiva e Cooperação Intermunicipal em duas Metrópoles. Caderno CRH, 24(61), 153-166.

Lago, A. C. (2012). A proposta brasileira para a Rio+20. In: Velloso, J. P. R.; Albuquerque, R. C. (Coords.). A questão ambiental e a Rio + 20: A economia verde como oportunidade global para o Brasil (pp. 7-12). Rio de Janeiro: Elsevier: INAE.

Langenbuch, J. R. (1971) A Estruturação da Grande São Paulo: estudo de geografia urbana. IBGE: Rio de Janeiro.

Martins, R. D.; Vaz, J.C.& Caldas, E. L. (2010) A gestão do desenvolvimento local no Brasil: (des)articulação de atores, instrumentos e território. Revista de Administração Pública, 44(3), 559-590.

Ministério De Minas E Energia. (2007). Plano Nacional de Energia 2030. Disponível em: . Acessado em: Novembro/2017.

Organização Das Nações Unidas. (2015). Transformando o nosso mundo: A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. Disponível em: . Acessado em: Setembro/2017.

Organização Das Nações Unidas. (2016). Taxa de feminicídio no Brasil é a quinta maior do mundo; diretrizes nacionais buscam solução. Disponível em: . Acessado em: Outubro/2017.

Pires, M. C. (2010). O Governo Figueiredo e a Crise da Dívida (1979-1985). In: PIRES, M. C. (Org.), Economia Brasileira da Colônia ao Governo Lula (pp. 219-239). São Paulo: Saraiva.

Prates, A. M. Q. (2005) Reestruturação produtiva no Brasil dos anos 90 e seus impactos na região do grande ABC paulista. (Dissertação Mestrado, Curso de Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente, Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas) Disponível em: . Acessado em: Agosto/2017.

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) & Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). (2013) Consulta | Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. Disponível em: . Acessado em: Agosto/2017.

Schneider, S.; Schimitt, C. J. (1998) O uso do método comparativo nas Ciências Sociais. Cadernos de Sociologia, 9, 49-87.

Sucupira, A. C.; Mendes, R. (2003). Promoção da saúde: conceitos e definições. SANARE, IV(1), 7-10.

Targa, L. R. P. (2017) Comentário sobre a utilização do método comparativo em análise regional. Ensaios FEE, 12(1), 265-271.

Vaz, J. C. (1997). Consórcios Intermunicipais. Ideias para a Ação Municipal, (97).

Veiga, J. E. A. (2017). Primeira Utopia do Antropoceno. Ambiente & Sociedade, 20(2), 233-252.

Veiga, J. E. (2010). Sustentabilidade: a legitimação de um novo valor. São Paulo: Editora Senac.

World Commission On Environment And Development. (1987). Our Common Future: Report of the World Commission on Environment and Development. Disponível em: . Acessado em: Agosto/2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Beatriz Duarte Dunder, Gabriel Pires de Araújo

ISSN: 2675-3065

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn